Pular para o conteúdo principal

Postagens

Insegurança gera Insegurança

O assunto dos últimos dias foi a mega-operação para tentar combater a criminalidade na favela da Rocinha, a maior do município do Rio de Janeiro e situada na zona sul do mesmo. A decisão de uma operação como essa, demonstrada fracassada em outras ocasiões revela que no fundo, as autoridades não estão interessadas em combater o crime, usando a operação para "mostrar serviço". Na verdade as intenções são outras.
Primeiro, nunca podemos nos esquecer que vivemos uma guerra de classes. Ricos e pobres numa guerra não declarada, mas posta em prática com eficiência. Segundo, que os verdadeiros bandidos não estão nas favelas e sim em mansões, castelos e condomínios de luxo, isolados do mundo real e cujo poder pode ser acionado de suas pomposas residências, com o apertar de um simples botão de celular.
O que se viu na operação na Rocinha é na verdade uma propaganda do poderio militar. A operação coincide (ou não?) com a declaração de um general do Exército, General Antônio Mourão, de…
Postagens recentes

A hipocrisia de Gisele Bundchen

Antes de escrever este texto, quero esclarecer que nossa equipe nada tem contra a modelo Gisele Bundchen. Nada contra e nem a favor. Mas o que ela fez é um bom exemplo do que nossas abastadas celebridades são capazes de fazer para forjar bom mocismo e atrair admiração alheia.
Na abertura da edição de 2017 do festival de música Rock in Rio (que só tem rock no nome), a modelo brasileira mais famosa do mundo, hoje fora das passarelas, fez um discurso piegas sobre ecologia e desejo de um mundo mais justo, que pode ter comovido incautos que acreditam na possibilidade de justiça em um mundo cronicamente injusto, mas manteve em sentinela os que conhecem os bastidores da política e das relações humanas.
Bundchen, para piorar, esteve do lado da não menos hipócrita Ivete Sangalo, uma cantora de voz boa mas de repertório inferior ao medíocre e que se encanou de virar proprietária da cultura brasileira, mesmo fazendo música com fins puramente e explicitamente financeiros. Ambas apoiaram o golpe …

A privatização da UERJ será catastrófica para a Educação de uma população já emburrecida

O Ministério da Fazenda, representado pelo banqueiro Henrique Meirelles, orientou o governo do Estado do Rio de Janeiro a privatizar as suas universidades e demitir os servidores que nela atuam. 
Com aquela velha desculpa não-convincente de "enxugar gastos", a meta na verdade é abrir caminho para a especulação estrangeira, que pretende privatizar a educação para impedir o surgimento de possíveis subversivos a denunciar os abusos das classes dominantes. Além de claro, concentrar ainda mais a renda nas mãos dos magnatas que controlam as instituições de ensino pelo país.
A privatização da UERJ e de muitas universidades privadas será catastrófica para a formação de nossos jovens. O ensino privado é exclusivamente direcionado ao mercado de trabalho e evita sempre que for possível, debater temas que possam causar algum tipo de asco nas classes dominantes. 
O ensino público, pelo contrário, possui responsabilidade social e tem demonstrado um oásis de sabedoria e consciência em um …

Prisão de Lula e possível vitória de direitista nas eleições de 2018, pasmem, dá otimismo a povo carioca

Não acredito em pesquisas. Pesquisas não são feitas com a totalidade da população. Há uma confusão entre "maior parte dos entrevistados" com "maior parte dos brasileiros". Se numa sala de aula com cerca de 100 alunos, 10 forem perguntados se gostam do professor de Química desses 10, 9 responderem que sim, vão dizer que a aprovação foi de 90%. Mesmo que todos os não-entrevistados detestem o professor.
No Rio de Janeiro, observo o oposto que as pesquisas sugerem. A rejeição a Lula ainda e altíssima. Na região metropolitana (exceto a Baixada Fluminense), a rejeição é ainda maior. Cariocas são submissos à mídia e tem o hábito de pararem nas bancas para lerem as manchetes de jornais, além de tratarem a audiência do Jornal Nacional com a obrigatoriedade de quem vai a uma missa. Para muitos, parece ser impossível que profissionais de um meio consagrado trabalhem para mentir.
Esta submissão à mídia, somado ao estereotipo desagradável que o ex-presidente petista causa nas …

O pesadelo do Rio de Janeiro

Estamos ainda trabalhando para voltarmos com nossas postagens com maior frequência. Tenham paciência que voltaremos. Falta tempo, mas não falta assunto. Afinal é muito assunto para pouco tempo. Até porque o Rio de Janeiro está cada vez pior e não há autoridade disposta a mudar isso.
Até que voltemos definitivamente, fiquem com a excelente análise de Eric Nepomuceno, colunista do excelente vlog Nocaute, de análise políticas administrado pelo escritor Fernando Morais, famoso pelo livro Chatô. Veja a análise sensata de Eric sobre o que está acontecendo no Rio de Janeiro.

Estamos parados a um tempão, apesar do Rio continuar falindo

Estou sem tempo para atualizar este e outros sites. Muita gente pode estranhar o fato deste blog estar parado mesmo com o Rio de Janeiro cada vez pior e mais confuso. Afinal, foram os cariocas que deram o golpe e impuseram se ponto de vista tradicional para criar as reformas.
Estou arrumando um jeito de retomar as postagens pois noto que não falta assunto para colocar aqui. Este site não será extinto agora e assim que conseguir tempo, retomo a postagem deste e de outros blogs de responsabilidade minha.
Peço desculpas pela imensa inércia das postagens e peço que continuem nos acompanhando, pois as postagens retornarão. Obrigado pela paciência e pelo prestígio. Aguarde a volta das postagens.

Esclarecimentos necessários

Recentemente escrevemos um texto alertante sobre o crescimento de ideais fascistas no Rio de Janeiro. Ainda não recebemos nenhum comentário por e-mail ou por rede social (o site bloqueia comentários). Mas nossa equipe releu o texto e percebeu que uma leitura superficial poderia dar a entender que todo carioca é fascista. Não é.
Não escrevemos que todo carioca é fascista. O que queríamos dizer é que o fascismo cresce de forma rápida e preocupante. Também falamos que a cultura típica do carioca possui elementos que poderiam alimentar sentimentos fascistas. Mas nem todo mundo é fascista.
Há muitos cariocas de mentalidade progressista que desejam bem estar a todos e felicidade a pessoas de todos os tipos. Estes podem até não ser uma maioria, mas a quantidade de pessoas comprometidas com o progresso e com o altruísmo é bem grande.
O que deveria ser feito é que as pessoas que não são fascistas tentem conversar com alguém que demonstre alguma atitude típica do fascismo e convencê-lo que o c…