Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2015

Caos carioca: uma cidade fora dos trilhos

Três enguiçando ou atropelando, e autoridades perdendo o rumo numa cidade fora dos trilhos que é o Rio de Janeiro.
A Supervia havia autorizado ontem que um trem que atropelou um cidadão passasse em cima dele porque "tinha a altura necessária" para passar em cima "sem atingir o corpo".
No entanto, o trem passou e esmagou o corpo e o cidadão, Adílio Cabral dos Santos, foi enterrado hoje à tarde.
Claro, as autoridades do Transporte no Rio de Janeiro não sabem o que é povo, não sabem o que são certos problemas e transtornos e a impressão que se tem é que seus técnicos ficam brincando com WhatsApp ou fazendo urbanismo de joguinhos eletrônicos.
Por isso deixaram um passageiro ser atropelado por um trem e depois ser esmagado por outro. E esses técnicos ainda se acham os maiorais, pasmem...

Charrete parada há muito tempo no caminho

Um homem viu uma charrete antiga parada no caminho. A essas alturas, o burrico que a carregava já faleceu e a charrete está tão antiga que até a cadeira está com o estofado mofado e um pouco saindo de seu lugar.
- Moço, me conta um pouco dessa charrete. É verdade que ela ficou parada no meio do caminho? - disse um homem a um caipira que descansava numa proximidade.
- Ah, sim, ficou parada, sim, senhor! - disse o caipira, com seu sotaque típico. - O burrico é que empacou, depois levaram ele e a charrete ficou sei lá por quê.
- E o burrico, o que ocorreu? - perguntou o forasteiro.
- Ih, meu amigo, ele já morreu faz tempo. Nem sei como, só sei de uns terceiros. Acho que morreu de doente, deve ter comido fruta ruim. - disse o caipira.
Os dois ficaram em silêncio. O forasteiro olhava a charrete, com curiosidade, embora não houvesse aspecto diferente que lhe chamasse a atenção. Na verdade, o forasteiro estava refletindo nos tempos em que a charrete era mais nova e funcionava para os passei…

"Burrito" empaca e a "manada" tem que desembarcar fora do ponto

O BRT (Burrito Retarded Transit), uma das maiores invenções dos coronéis e xerifes das mais caipiras roças brasileiras, fez o que seus testes, por falta de certos procedimentos preventivos, não conseguiu prever: EMPACOU.
Pois essa espécie de pau-de-arara coberto e com uma espécie de caixinha inserida, que solta um vento gelado nos bóias-frias que se servem desse transporte de gado, teve um desses veículos enguiçados quando chegou a uma espécie de curral que atendia pelo nome de "Terminal Alvorada".
Quem pôde chegar a esse curral saltou e foi fazer sua andança para pegar outras carroças, principalmente para pegar aquelas linhas que agora param no meio do caminho, como verdadeiros trajetos de roça feitos para empacar, e que os políticos, com mania de parecerem urbanos para os gringos chamam de "linhas alimentadoras".
Os intervalos nos dois corredores tornaram-se irregulares, os recintos do galpão - que os coronéis que comandam essa roça chamada Rio de Janeiro chamam…

Parece cidade do interior

Junte-se os elementos desse dramalhão. Um bando de fanáticos por uma modalidade esportiva esperam para comprar ingressos para uma partida a ocorrer numa famosa arena.
De repente, os organizadores alegaram não haver ingressos suficientes para os torcedores rubro-negros, já que o Clube de Regatas Flamengo é um dos times mais populares do Rio de Janeiro e justamente era o time da casa, a enfrentar o Santos Futebol Clube, no próximo domingo.
Irritado, um grupo de vândalos decidiu derrubar as grades que delimitavam as filas, a incendiar as bilheterias e derrubar os computadores e outros objetos existentes. As bilheterias tiveram que ser fechadas.
Parece cidade do interior, com venda de ingressos que mais parece de rodeio do interior. Não arrumaram ingressos que incluíssem justamente os da superpopulosa torcida do Flamengo. Paciência, a Rede Globo e a Confederação Brasileira de Futebol mandam no Rio de Janeiro, promovem o futebol como se fosse a maior religião do universo e assim os times …

Teto do Madureira Shopping caiu ontem à tarde

O teto do Madureira Shopping, que, pelo nome, fica em Madureira, é claro, caiu ontem à tarde, assustando a freguesia, mas sem deixar feridos.
Com toda a certeza, é falta de manutenção constante e preventiva que causou essa quase tragédia.
Mas também essa omissão é fruto de outro desastre maior, que é a visão provinciana e caipira da sociedade carioca. Só um xopingue com mentalidade de cidade do interior permite que um teto caia em dia de expressivo movimento.

Os Reis do Nhem-Nhem-Nhem vêm com uma Festa de Arromba

Eles já estão há um bom tempo fazendo uma Festa de Arromba, mas agora pretendem ir mais longe. O Grupo The Bestas, formados pelos quatro rapazes fabulosos do PMDB carioca - Eduardo Cunha, Eduardo Paes Luiz Fernando Pezão e Carlos Roberto Osório - já fazem um grande barulho na política do Rio de Janeiro e até do Brasil.
Com agressividade olímpica eles fazem com a Constituição Federal o que o The Who fez com seus instrumentos durante suas primeiras apresentações. Mas até as leis são jogadas na fogueira, tal qual Jimi Hendrix fez com sua guitarra uma vez.
Atraindo multidões a fazer protestos (contra) eles na Av. Pres. Vargas, no Largo da Carioca - para não dizer o faroeste que rola nos complexos do Alemão e da Maré - os quatro rapazes do Livre Mercado abandonaram o público, quando perceberam que a barulheira os impedia de conhecer suas ambições pessoais.
Aí eles se isolaram no estúdio, para promover seus grandes projetos pessoais. Criaram o álbum Sargento Olimpo e o Clube dos Atletas So…

Caubóis do faroeste dos EUA estão irritados com as UPPs

Os caubóis do faroeste dos EUA estão bastante furiosos. Eles querem pegar o grupo político de Eduardo Paes e Luiz Fernando Pezão.
Eles estão reclamando da concorrência, já que eram os caubóis os homens fora-da-lei, os bandoleiros destemidos e os únicos que abrem fogo contra seus inimigos.
Eles agora estão irritados porque as áreas "pacificadas" (?!) pelas UPPs viraram agora zonas sem-lei, com bandoleiros (traficantes) atirando a esmo, eliminando até inocentes que se encontram no meio do caminho.
Os caubóis sabem muito bem que o Rio de Janeiro virou uma grande roça, tomado de um provincianismo doentio, e as áreas das UPPs acabaram virando arremedos de faroeste à carioca, com suas favelas que, por suas casas degradadas, parecem virem do tempo de Buffalo Bill.

Dois pesos, duas medidas

No hoje caótico, ditatorial e corrupto sistema de ônibus do Grande Rio, nota-se que existem dois pesos e duas medidas quando o assunto são irregularidades nas empresas de ônibus.
A Turismo Trans1000, ligada a "peixes grandes" da política e do Judiciário da Baixada Fluminense, levou seis anos para ser cassada, e, mesmo assim, depois de intensa pressão das associações de moradores das cidades atendidas.
Um sócio foi assassinado, a empresa não renovava frotas, só comprava carros de segunda mão e mantinha-se de pé, mesmo quando vários acidentes aconteceram, um com morte que mal foi divulgado na mídia.
A Transportes Paranapuan, empresa "rebelde" de um consórcio, cujo dono não parece ter muito destaque no ramo, era contra a pintura padronizada, se desentendia com outros empresários do consórcio Internorte, e teve dois trágicos acidentes num prazo de dois anos. Perdeu oito linhas.
A Paranapuan ainda teve a linha 910 Bananal / Madureira, uma das mais rentáveis e tradicion…

Alexandre Nero critica invasão de privacidade no seu casamento

Alexandre Nero, ator de muitos trabalhos e, mais recentemente, tendo sido protagonista da novela Império, da Rede Globo, reclamou da exploração da imprensa sobre os preparativos e a cerimônia de casamento do ator com a namorada Karen Brusttolin, com quem espera uma filha.
Ele não queria ser fotografado na rua, enquanto se preparava para a cerimônia, e queria que as núpcias tivessem sido mantidas em segredo, para o bem da privacidade do casal.
Nos EUA, os atores Ashton Kutcher e Mila Kunis, que haviam sido colegas de elenco do seriado De Volta aos Anos 70 (That 70's Show), que já têm uma filha, Wyatt, se casaram em uma cerimônia íntima que só teve amigos e parentes, sendo a imprensa mantida à distância.
"Era para ser segredo, e algo extremamente íntimo e particular, mas como não deixam que isso aconteça nem na marra, então vamos esclarecer as coisas. Se exigem rótulos, nomes e significados preferimos 'celebração de amor', pois o festejo é pelo Noá, que já está a camin…

Parar para mobilizar

Ontem os taxistas protestaram contra um tal aplicativo Uber que, de maneira duvidosa e "livre", estabelece contato pelos smartphones entre motoristas e passageiros. É ao mesmo tempo uma elitização e uma liberalização, porque carros particulares podem participar. Além do mais, tecnologia demais na chamada mobilidade urbana soa como a esmola excessiva para um santo...
Pelo menos, na manhã de ontem, pessoas puderam parar para mobilizar. Por algumas horas vimos que os cariocas não aceitam as coisas que vêm "de cima", como uma "novidade tecnológica"...

Prateleira de frios e de laticínios está vazia

O desabastecimento anda solto de vez em quando nos supermercados do Grande Rio.
É porque o Rio de Janeiro anda muito provinciano, mais parecendo roça do interior.
Isso porque o Rio de Janeiro está dentro de uma zona central de grandes fornecedores e de uma diversidade de fabricantes e distribuidores de produtos.
Só que, de vez em quando, muitos produtos acabam faltando nas prateleiras, já que a boa demanda dos mesmos não faz nossos gerentes terem a logística necessária para repor regularmente os produtos.
E, no caso dos laticínios, muita coisa falta para a alimentação básica das pessoas, sobretudo no café da manhã.
Das bebidas lácteas, só sobram aquelas básicas de morango que não chegam a ter um litro mas têm um preço que daria mais para três litros.
Mas os cariocas "mais bovinos" nem se preocupam com isso.
Para eles, basta que cerveja não falte, e até agora não lhes faltou. E olha que eles gostam de cerveja com sabor qualquer nota: uma espécie de mistura espumada de urina …

Cariocas vivem em função do futebol

É sabido que brasileiros são fanáticos por futebol. São tão fanáticos que tratam aquilo que deveria ser apenas uma forma de diversão como obrigação cívica e social. isso acontece em quase todo o país mas é intensificado no Rio de Janeiro, terra dos times mais famosos e mais bem sucedidos do país.
Aqui no Rio de Janeiro, gostar de futebol é regra de etiqueta. A sociedade tratou de se dividir em quatro grandes grupos baseados nos quatro times mais bem sucedidos: Flamengo, Vasco, Fluminense e Botafogo. Obrigatoriamente, os cariocas devem pertencer a um desses quatro grupos. Quem se recusa a fazer parte de um desses quatro, sofre preconceito. Se assumir que não curte futebol a coisa piora, semelhante ao que acontece com ateus em uma nação altamente religiosa.
Se os torcedores do Bangu e do América recebem chacota, mesmo gostando de futebol, por torcerem por times fadados ao fracasso e consequentemente à impopularidade, para os que assumem passar longe de qualquer gramado ou televisores c…

Morreu Luiz Paulo Conde, o "pai" das linhas de ônibus esquartejadas

Você que trabalha ou estuda na Gávea e mora em Madureira, que é obrigado a pegar um ônibus para a Barra da Tijuca e daí pegar um BRT lotado para o referido subúrbio.
Você que mora na Ilha do Governador e quer tem que pegar um ônibus para o fundão e daí pegar o BRT superlotado para Madureira. 
Você que mora na Penha e, para ir para a Praça Seca, precisa ir primeiro para Madureira e daí pegar um "alimentador" para o destino final, pode "agradecer" a Luiz Paulo Conde, que pensou em tudo isso que você é obrigado a aguentar no sistema de ônibus carioca.
Ele queria copiar o paranaense Jaime Lerner, filhote da ditadura que foi se passar por "urbanista progressista". Encomendou um bando de acadêmicos incoppetentes para bolar um sistema de ônibus com linhas esquartejadas, padronização visual nas empresas, eliminação de terminais no Centro (haja caminhada) e redução de ônibus em circulação nas ruas (haja espera...).
O plano, anunciado em 1998, quando Conde era pre…

Mulheres que brigam por um bebê recorrem ao Rei Salomão

Duas mulheres brigam por causa de um bebê, já que qualquer uma delas reivindica a maternidade e, portanto, o direito de cuidar da criança.
Elas, não podendo resolver sozinhas a discussão, recorreram ao Rei Salomão, expondo o problema. O rei as ouviu pacientemente, escutando quieto o relato de cada uma.
Depois que ouviu as duas partes, o rei deu uma solução para as duas mulheres.
- Vocês podem resolver a questão através do par ou ímpar. - disse então Salomão.
- Mas, Majestade - perguntou uma das mulheres - , a solução não seria cortar o bebê em dois, como um desafio para nossa tão intransigente briga?
- Não, minhas caras. - disse o rei. - Quem sugere cortar o único bebê em dois é a Prefeitura do Rio de Janeiro.
- Mas, como assim? - disseram as duas mulheres.
- É que cortar uma coisa em duas é especialidade da prefeitura carioca. Assim, se o bebê for cortado em dois, gerarão dois bebês "alimentadores", enquanto será elaborado um Bebê Rapid Transit para integração através da M…

SMTR quer tirar filmes Velocidade Máxima 1 e 2 de circulação

FILMES SERÃO CORTADOS PELA METADE E VIRARÃO "ALIMENTADORES".

A Secretaria Municipal de Transportes da Prefeitura do Rio de Janeiro quer tirar os filmes Velocidade Máxima 1 e 2 (Speed 1 e 2) de circulação para relançá-los em novas produções em que os enredos estejam pela metade.
Dessa forma, os técnicos da SMTR pretendem cortar a segunda metade do primeiro filme e a primeira metade do segundo filme, de forma a relançá-los como blockbusters "alimentadores", para garantir assim o sucesso da Bilheteria Única para a compra dos DVDs.
A medida tem como objetivo lançar um outro filme, Mobilidade Máxima (BRT Speed), um episódio único que adapta os trechos cortados dos dois filmes para o contexto carioca, deixando as partes cortadas originais para o esquecimento ou o usufruto dos ianques.

Aviso: em vez de "A Namorada", de Carlinhos Brown (cortada do segundo filme "alimentador"), os produtores de Mobilidade Máxima pretendem escolher uma música de Naldo Ben…

Isso é que dá eleger um cara desses

Isso é que dá votar em Eduardo Cunha.

Ele tornou-se presidente da Câmara dos Deputados e segundo suplente da Presidência da República - ou seja, na ausência de Dilma Rousseff e Michel Temer, é Cunha que vai governar o país - e adotou medidas bastante autoritárias e antipopulares.

Agora se assumiu de oposição ao próprio governo do qual poderá herdar o poder por alguma eventualidade e prepara uma reforma política para tentar ser primeiro-ministro ou, pelo menos, pavimentar seu caminho para o Planalto.

E tudo isso provocando um grande estrago ao país com suas ideias que prejudicam brasileiros dos oito aos oitenta, com pobres meninos indo para a cadeia e velhinhos trabalhando demais da conta, além de adultos fazendo bico com baixos salários e sem qualquer garantia social.

É, muitos cariocas estão dando mau exemplo para o país, elegendo um sujeito desses. Depois eles não gostam quando se fala que o Rio de Janeiro ficou matuto que só.

Uma roda soltou de um ônibus e matou um passageiro

Uma roda se soltou de um ônibus da Transportes Paranapuan e atingiu um passageiro, que morreu dias depois.
Isso se deve porque, há cinco anos atrás, parafusos se soltaram das mentes de alguns políticos que achavam que entendiam de transporte coletivo e atingiram a população, causando sérios prejuízos.

Paulistas fazem o que os cariocas não tiveram coragem de fazer

Talvez os cariocas estivessem esperando um paulista como Luciano Huck, para não dizer o craque Neymar, para se mobilizarem para alguma coisa.
Eles esperam que pessoas com um máximo de visibilidade possam lhes dizer o que se deve fazer ou o que contestar. Como os paulistas da revista Veja, que, pelo jeito, só não decai de vez por causa dos leitores cariocas.
Pois devem esperar que paulistas lhe digam que, entre outras coisas, a pintura padronizada nos ônibus é uma medida nociva e antipopular, e que o grupo político que decidiu essa barbaridade tem como um dos membros o ultra-autoritário presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, que, entre outras coisas, quer que o trabalhador brasileiro ganhe menos e não tenha garantias sociais.
Claro que São Paulo está uma roça, como todo o Sul e Sudeste tomados da violenta e contagiosa epidemia do narcisismo provincianista. Mas, pelo menos em Sampa, há gente com coragem de se mexer contra alguma arbitrariedade.

Banda de pop-rock vai brincar de ser indie em gravadora das Organizações Globo

A banda Scalene tem como grande virtude fazer boas fotos imitando o Weezer com um quê de Queens of The Stone Age.
Brincam de fazer rock alternativo e de ter atitude independente, dão declarações "muito bacanas" sobre suas carreiras e se acham "muito, muito autênticos".
A "galera" que ouve muito "sertanejo" até tenta definir o Scalene como a vanguarda da vanguarda da vanguarda do underground mundial e muitos acreditam até que o toca-CD tocar as primeiras músicas.
Aí percebe-se que o Scalene não passa de mais uma banda fazendo aquele som do "rock brasileiro" dos anos 90, profissionalizado até a medula, mas sem um pingo de criatividade. É aquele mesmo pop-rock radiofônico em que o vocalista tem aquela mesma voz de garotão de escola de ensino médio.
Além disso, como levar a sério uma atitude indie e alternativa, se o grupo optou por participar de um reality show musical, uma reles competição. Nada MENOS alternativo. E, além disso, o Scale…

Trem supervazio, BRT superlotado

Esse trem de Bangladesh, país considerado um dos mais atrasados do mundo - deve servir de modelo para o "nosso" Rio de Janeiro - , está, na verdade, sublotado.
Não, não estamos comparando com os trens do Rio de Janeiro, que até estão superlotados, mas o pessoal já sabe da má fama dos trens do Grande Rio que prefere ir de ônibus.
Estes, sim, é que estão superlotados, sobretudo em Madureira, quando veem as linhas esquartejadas que são conhecidas como "alimentadoras". Ainda vamos falar dessa subnutrição sobre rodas.
Pois graças a essas linhas esquartejadas, que racham um percurso em dois para testar sua paciência, os ônibus ficam superlotados, porque os BRTs são os "micrões" dos trens, daí que são verdadeiras latas de sardinhas sobre rodas.
A superlotação dos BRTs é tão terrível que o ar condicionado, mesmo funcionando, não funciona. Porque, com tanta gente suada na correria do dia a dia, não há como sentir algum frescor com tanta gente espremida.

Gado sobre rodas

Diferentes empresas de ônibus com uma mesma pintura. 
Sistema de "consórcios", espécie de grupos empresariais politicamente formados. 
Ênfase no logotipo da Prefeitura do Rio de Janeiro.
O que é isso, afinal? A vanguarda da modernidade urbana?
NÃÃÃÃÃÃÃÃOOOOOOO!!!!!
É a retaguarda do "coronelismo" aplicado ao sistema de ônibus.
Empresas de ônibus usando a mesma pintura padronizada, feito gado bovino que parece tudo igualzinho, como se pudesse tratar as diferentes concessionárias como se fossem bois de uma mesma espécie, tudo igualzinho.
Empresas de ônibus "amarradas" na camisa-de-força dos consórcios, como se fossem bois amarrados a um mesmo curral.
O logotipo da Prefeitura do Rio de Janeiro sendo colocado como se fosse o carimbo da fazenda, como se estivesse afirmando o poder do "coronel", seu dono.
E o "coronel" então é o Secretário de Transportes de plantão, um homem que não se contenta em fiscalizar, quer mandar com mãos de ferro, …

Cariocas são hipócritas em comemorar "Dia do Rock" preparando monocultura do "funk/sertanejo"

Para os brasileiros e somente para os brasileiros, hoje e considerado o Dia do Rock. Não aquele rock conscientizador, mas o estereótipo do rock. Linguinha para fora, sinal do diabo com as mãos, gírias tolas e aquela rebeldia sem causa que faz os jovens se rebelarem pelo fato de não terem motivo para se rebelar. Uma gracinha.
Mas no Rio de Janeiro, que teve a ideia tola de ressuscitar uma rádio fake de rock justamente numa fase em que o gênero ainda em baixa, cada vez mais impopular, soa hipocrisia comemorar esta data. Até porque sabemos que está sendo arquitetada uma monocultura planejada por integrantes de entre dois gêneros, digamos, musicais: "funk" e "sertanejo", um forasteiro majoritariamente paulista/goiano, mas com o primeiro na liderança.
Lembrando que hoje também é o dia do "sertanejo"e embora a data tivesse surgida para homenagear os caipiras autênticos, sabemos muito bem que os oportunistas de meia tigela irão cobrar as homenagens. Não merecid…

Prova definitiva de que "roqueiro" carioca é provinciano

Uma prova definitiva de que "roqueiro" carioca é provinciano e matuto é que eles não querem o mundo, só querem a Cidade.

Se bem que a emissora deveria chamar Bairro FM ou talvez Umbigo FM, porque eles julgam a "cultura rock" de acordo com seus próprios umbigos e presos nos "sucessos comerciais" de sempre.

Matutos, se irritam quando alguém lhes mostra a realidade do rock nacional e internacional, muito distante do "mundo da fantasia" que a FM jeca dos 102,9 mhz e seus locutores engraçadinhos transmite para seus fanáticos e ranzinzas ouvintes

Estes ouvintes, aliás, pelo seu mau humor e fácil irritabilidade, parecem competir, por tal comportamento, com o movimento Revoltados On Line ou com os articulistas da revista Veja, em São Paulo.

Daí que essa irritação está muito mais para matuto de porta de latifúndio do que de jovens modernos e cosmpolitas.

Rio de Janeiro já vive clima de faroeste

Na última sexta-feira, ao meio-dia, os cariocas se assustaram com o assassinato, na estação do metrô de Uruguaiana, no Centro do Rio de Janeiro, de um homem, Era um motoboy de 46 anos, Alexandre Oliveira, que foi rendido por bandidos que suspeita-se "estudavam" o percurso do rapaz no horário.

Três covardes bandidos que, pelo jeito, são tão provincianos e matutos que devem achar que estão vivendo numa cidade de faroeste, tal o clima de "terra sem lei" que o secretário estadual de Segurança, José Mariano Beltrame, que não conseguiu evitar que as UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora) virassem "zonas do medo", deixou ocorrer.

Um internauta lembrou que, enquanto policiais fiscalizavam o comércio da Uruguaiana e arredores, os ladrões faziam das suas "debaixo do nariz" da Polícia. A ocorrência aumentou ainda mais o clima de insegurança no Rio, não bastasse o outro lado da Baía da Guanabara, dias atrás, quando um jovem foi assassinado em Niterói no c…

Diogo Mainardi disse que o nordestino é "bovino"

Coitado. Diogo Mainardi não teve ter viajado para o Rio de Janeiro há muito tempo.