Banda de pop-rock vai brincar de ser indie em gravadora das Organizações Globo

A banda Scalene tem como grande virtude fazer boas fotos imitando o Weezer com um quê de Queens of The Stone Age.

Brincam de fazer rock alternativo e de ter atitude independente, dão declarações "muito bacanas" sobre suas carreiras e se acham "muito, muito autênticos".

A "galera" que ouve muito "sertanejo" até tenta definir o Scalene como a vanguarda da vanguarda da vanguarda do underground mundial e muitos acreditam até que o toca-CD tocar as primeiras músicas.

Aí percebe-se que o Scalene não passa de mais uma banda fazendo aquele som do "rock brasileiro" dos anos 90, profissionalizado até a medula, mas sem um pingo de criatividade. É aquele mesmo pop-rock radiofônico em que o vocalista tem aquela mesma voz de garotão de escola de ensino médio.

Além disso, como levar a sério uma atitude indie e alternativa, se o grupo optou por participar de um reality show musical, uma reles competição. Nada MENOS alternativo. E, além disso, o Scalene arrumou um contrato com a Som Livre, a gravadora das Organizações Globo, que relançará seus álbuns "independentes" como aquecimento para a brincadeira de ser indie.

Para um país que mal acabou de chorar a morte do "sertanejo" Cristiano Araújo (há quem achasse "poesia inigualável" o refrão de "Bara Berê"), o Scalene parece "rock alternativo sério". Mas é tudo pose. Mas pelo menos seus integrantes sabem muito bem posar para fotos "iradas".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Espírito de Equipe

Comemoração por futebol em dia de Golpe mostra infantilidade do povo carioca

Insensibilidade do carioca tem a ver com o consumismo