Pular para o conteúdo principal

A difícil tarefa de arrumar namorada na Região Metropolitana do Rio de Janeiro

O que vai ser lido aqui pode parecer estranho para quem vive de estereótipos e para quem cumpre com rigor as regras sociais. Mas é um fato real e triste de uma região mentalmente atrasada que vive ostentando aos outros povos a sabedoria que na possui.

O Rio de Janeiro é um dos lugares mais difíceis para um homem arrumar namorada. Esqueçam tudo o que dizem sobre vida afetiva, eles contradizem com os fatos. As dificuldades são reais para quem não se adeque às exigências da coletividade.

Como estado do sudeste, o nível de exigência das mulheres é alto. Com muitos branquelos ricos e altos a disposição, as mulheres se tornam mais racistas, mais elitistas e mais seletivas. Um homem que fuja deste estereótipo de galã certamente vai encontrar muitos obstáculos para a realização afetiva no Rio de Janeiro.

Isso somado ao fato das cariocas ser tradicionalmente insensíveis, pois nas regiões Norte e Nordeste é onde se encontram mulheres mais carinhosas e menos interesseiras. No Rio, porte físico e profissão prestigiada contam muito para que os homens sejam considerados interessantes. Caráter e beleza facial nem tanto. Um branquelo feioso sempre vai ser considerado mais atraente que um mestiço de traços faciais bonitos. Não é difícil imaginar porquê.

As regras de paquera também colaboram para esta dificuldade, já que não existe lugares de paqueras no Rio de Janeiro. Se muitos homens conseguem uma namoradas é porque ou cumpriram as exigências e os rituais de conquista, ou porque entraram em grupos sociais que oferecem maior confiabilidade para as mulheres que estejam dispostas a namorar. lembrando que mulheres não paqueram em qualquer lugar ou situação, infelizmente limitando seu leque de escolha aos homens que estejam nos ambientes "adequados".

Se as mulheres decidem limitar seus lugares de paqueras em boates, e lá não houver homens que correspondam aos seus objetivos, a tendência para essas mulheres é pegar o mais interessante entre os chatos disponíveis, ou o que tiver mais dinheiro ou cara-de-pau. E como os homens cariocas são chatos...

Esqueçam essa tolice de que os melhores homens se dão bem. A tradição prova que as melhores mulheres normalmente se casam com os piores homens e no Rio, os homens são REALMENTE OS PIORES, pois não são educados a amar mulheres e sim a amar times de futebol. Mulheres, para os homens cariocas, só servem para três coisas:
- Fazer filhos;
- Satisfazer desejo sexual;
- Servir de "troféu" para obter aprovação social.

Mesmo sem qualidades marcantes, os homens cariocas conseguem conquistar as mulheres porque sabem as regras de conquista, cumprem as exigências e os rituais necessários e dão o dinheiro necessário para que as mulheres possam sustentar seus filhos, verdadeiros objetos de afeto dessas mulheres, tão insensíveis quanto os homens com quem elas se casam. Cada relacionamento se torna uma "linda" estória de solidão a dois.

É complicado namorar no Rio de Janeiro. Um povo tradicionalmente insensível não pode servir como bom exemplo de afeto. O amor não mora no Rio de Janeiro. Saia do RJ se quiser encontrá-lo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Espírito de Equipe

Recebemos em nosso e-mail uma mensagem de um leitor que pediu para não identificado e que contássemos o seu caso real com nossas palavras, sem reproduzir o seu texto. Obrigado leitor e vamos contar de nossa forma o seu caso, colocando o fictício nome de "João".
"João" é um excelente profissional, cumpridor de seus deveres, que nunca faltou o trabalho por motivo fútil, é pontual e costuma concluir suas tarefas um pouco antes da hora estipulada, tendo fama de adiantar bastante o trabalho da empresa.
Era um dia normal de trabalho. João estava mais uma vez em sua tarefa quando um dos colegas, o mais extrovertido tenta puxar uma conversa, de início simpática, com o colega.
Colega 1: Oi, João, tudo bem? João: Tudo. Colega: Você é um cara legal, trabalhador, gente boa mesmo. mas não sabemos muito de você. Qual é o seu time de futeboll? João: Eu não curto muito futebol. Colega 1: O quê? Não curte futebol? Você está brincando! João: Sério. Eu não sou muito ligado em futebol. Res…

Comemoração por futebol em dia de Golpe mostra infantilidade do povo carioca

Já é consenso da maioria que o dia 31 de agosto de 2016 é um dos dias mais tristes da História brasileira. Já é o pior momento de 2016. Uma democracia conduzida por uma presidente sem culpa é derrubada por um bando de corruptos a serviço de um pequeno grupo de ricaços. Uma atitude que poderá custar as vidas de muitos brasileiros.
Mas os cariocas, em sua maioria elitistas, pareciam felizes com a deposição de Dilma. Desprovidos de altruísmo e de senso de humanidade, pouco estão se lixando se o governo que se instalou através de um golpe irá ou não prejudicar a população brasileira. A elite está tranquila. Caso o prejuízo a alcance, é só entrar em um avião e se mudar para a Europa ou para os EUA. Como os cariocas são o povo mais burro do Brasil na atualidade, o futebol sempre foi e será prioridade máxima para a população local.
É isso mesmo. Esta mesma elite, junto com a classe média e alguns pobres que a apoiaram, estavam todos, na noite do mesmo fatídico dia 31 preocupados com "c…

Marcelo Crivella é o novo prefeito do Rio de Janeiro

Com cerca de 59% dos votos válidos (curiosamente o número de sua idade), Marcelo Crivella se torna o próximo prefeito da capital do Rio de Janeiro. Freixo recebeu cerca de 40% dos votos. Abstenções foram cerca de 46% superiores a Freixo.
A vitória de Crivella já era esperada dada o grau de conservadorismo do povo carioca e o fortalecimento das religiões cristãs, além do crescimento intenso das igrejas evangélicas. O fato de Crivella ser da Universal contou com a campanha da TV Record, bem popular no RJ. 
Apesar de ter recebido apoio da Globo (muito mais por rivalidade televisiva do que por ideologia), Freixo não conseguiu se eleger, admitindo a derrota imediatamente após confirmada a vitória de Crivella, no mesmo lugar onde seria a sua festa de comemoração, caso vencesse.
Apesar de seguir um manual que orienta a transformação de sua gestão em uma teocracia, Crivella deve saber que governará também para não-evangélicos e para não cristãos. Como é moderado, é provável que o plano de te…