Pular para o conteúdo principal

As superautoridades cariocas se esqueceram da Baía da Guanabara

Os superpolíticos que integram o grupo que está no poder no Rio de Janeiro, desde 2009, tinham todo o tempo para despoluírem a Baía da Guanabara.

Nas entrevistas, eles são sempre os primeiros a apresentar grandes ideias, a dizer que farão tudo para melhorar o Estado e suas respectivas cidades, acham que sempre têm uma solução pronta para tudo e alegam que vão acatar as mais complexas sugestões e priorizar ações em prol do interesse público.

Mas dizer é muito fácil, e muito se falou, falou e falou. As autoridades do Rio de Janeiro, super-heróis da modernização do país, se perderam em ações paliativas que se mostraram nocivas para a população. 

Criaram guaritas em favelas, que chamaram de UPP (Unidade de Polícia Pacificadora) que deram em nada e só fizeram voltar a violência que destrói as vidas de quem nada tem a ver com os conflitos entre policiais e bandidos (ou entre quaisquer deles contra "semi-bandidos" que integram as "milícias"), já que são os inocentes os mais vulneráveis diante desse tiroteio.

Impuseram a intragável e até hoje inaceitável pintura padronizada nos ônibus e a corrupção no sistema aumentou, os defeitos que existiam se agravaram e vieram novos para piorar a situação. E até os BRTs estão um lixo e rodam superlotados. E o Bilhete Único, que iria deixar as tarifas em tese mais baratas, só fez extinguir linhas importantes e empurrou os cidadãos para o atraso no trabalho, com sério risco de serem demitidos de seus empregos.

Não cuidaram do saneamento nem da estrutura urbana e o que vemos foi bueiros voando e ferindo até turistas, incêndios atingindo prédios históricos, assaltantes matando cidadãos em pleno meio-dia de intenso movimento no entorno da Av. Pres. Vargas, e uma série de incidentes trágicos ou, pelo menos, dramáticos que mancham a imagem da Cidade Maravilhosa e sua região metropolitana nos noticiários.

E a Baía da Guanabara, que os superpolíticos como Eduardo Paes e companhia prometiam despoluir imediatamente, tornou-se mais poluída e feia e ficou um ambiente impraticável para os atletas. Daí o justo protesto que eles fazem, às vésperas do Rio 2016.

A essas alturas o governador Luiz Fernando Pezão teve que abrir mão do otimismo em dimensões olímpicas que seu colega e prefeito carioca, Eduardo Paes, expressava na sua pretensão de achar que pode fazer tudo, sem ter interesse real para isso. Pezão admitiu que não dá para despoluir a Baía da Guanabara a tempo para os jogos olímpicos no Rio de Janeiro.

Os atletas estão reivindicando que, pelo menos, se isole o lixo da área de competição. Talvez os políticos, do jeito que eles são, empurrem tudo para Niterói, sob a resignação de seu prefeito Rodrigo Neves (que parece se comportar como se fosse o "chinelo de Pezão").

Tudo vai ficar na mesma, porque os políticos cariocas têm um grande talento para falar e fazer mil promessas. No entanto, eles não têm o talento necessário para realizá-las, e não ser da pior forma possível. Talvez seja porque eles brincam tanto de TheSims e montam arquivos no PowerPoint e Photoshop. A Baía da Guanabara não faz parte desse cenário virtual.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Espírito de Equipe

Recebemos em nosso e-mail uma mensagem de um leitor que pediu para não identificado e que contássemos o seu caso real com nossas palavras, sem reproduzir o seu texto. Obrigado leitor e vamos contar de nossa forma o seu caso, colocando o fictício nome de "João".
"João" é um excelente profissional, cumpridor de seus deveres, que nunca faltou o trabalho por motivo fútil, é pontual e costuma concluir suas tarefas um pouco antes da hora estipulada, tendo fama de adiantar bastante o trabalho da empresa.
Era um dia normal de trabalho. João estava mais uma vez em sua tarefa quando um dos colegas, o mais extrovertido tenta puxar uma conversa, de início simpática, com o colega.
Colega 1: Oi, João, tudo bem? João: Tudo. Colega: Você é um cara legal, trabalhador, gente boa mesmo. mas não sabemos muito de você. Qual é o seu time de futeboll? João: Eu não curto muito futebol. Colega 1: O quê? Não curte futebol? Você está brincando! João: Sério. Eu não sou muito ligado em futebol. Res…

Comemoração por futebol em dia de Golpe mostra infantilidade do povo carioca

Já é consenso da maioria que o dia 31 de agosto de 2016 é um dos dias mais tristes da História brasileira. Já é o pior momento de 2016. Uma democracia conduzida por uma presidente sem culpa é derrubada por um bando de corruptos a serviço de um pequeno grupo de ricaços. Uma atitude que poderá custar as vidas de muitos brasileiros.
Mas os cariocas, em sua maioria elitistas, pareciam felizes com a deposição de Dilma. Desprovidos de altruísmo e de senso de humanidade, pouco estão se lixando se o governo que se instalou através de um golpe irá ou não prejudicar a população brasileira. A elite está tranquila. Caso o prejuízo a alcance, é só entrar em um avião e se mudar para a Europa ou para os EUA. Como os cariocas são o povo mais burro do Brasil na atualidade, o futebol sempre foi e será prioridade máxima para a população local.
É isso mesmo. Esta mesma elite, junto com a classe média e alguns pobres que a apoiaram, estavam todos, na noite do mesmo fatídico dia 31 preocupados com "c…

Marcelo Crivella é o novo prefeito do Rio de Janeiro

Com cerca de 59% dos votos válidos (curiosamente o número de sua idade), Marcelo Crivella se torna o próximo prefeito da capital do Rio de Janeiro. Freixo recebeu cerca de 40% dos votos. Abstenções foram cerca de 46% superiores a Freixo.
A vitória de Crivella já era esperada dada o grau de conservadorismo do povo carioca e o fortalecimento das religiões cristãs, além do crescimento intenso das igrejas evangélicas. O fato de Crivella ser da Universal contou com a campanha da TV Record, bem popular no RJ. 
Apesar de ter recebido apoio da Globo (muito mais por rivalidade televisiva do que por ideologia), Freixo não conseguiu se eleger, admitindo a derrota imediatamente após confirmada a vitória de Crivella, no mesmo lugar onde seria a sua festa de comemoração, caso vencesse.
Apesar de seguir um manual que orienta a transformação de sua gestão em uma teocracia, Crivella deve saber que governará também para não-evangélicos e para não cristãos. Como é moderado, é provável que o plano de te…