Pular para o conteúdo principal

Morreu a cantora "daquele sucesso dos Fevers"

Há que se esforçar para entender os cariocas. Acabamos de receber a notícia do falecimento da cantora country estadunidense, Lynn Anderson, que em 1970 fez sucesso com a música "I Never Promised You a Rose Garden", que marcou sua carreira.

Ela estava com 67 anos, parecendo até mais idosa que sua idade sugeria. Tinha sofrido pneumonia e, na última quinta-feira, se sentiu mal e sofreu ataque cardíaco, no hospital Vanderbilt University Medical Center, em Nashville, a "meca" da country music

Lynn Anderson chegou a participar num trecho de "Rose Garden" inserido num sucesso, "I Beg Your Pardon", do grupo de pop dançante Kon Kan, popular no início dos anos 1990, hoje esquecido.

O grande problema de Lynn Anderson é que, em que pese o sucesso mundial de "Rose Garden", ela é mais conhecida no Brasil, e principalmente pelos provincianos cariocas, por ser a "cantora do sucesso dos Fevers". Pois essa banda de mercenários, que até chegou a ser boa nos tempos da Jovem Guarda, mas depois seus integrantes passaram a ser discípulos musicais de Roberto Campos e Eugênio Gudin, principalmente um tal de Ivanilton, agiu com muita esperteza.

Eles acabaram lançando a tal de "Mar de Rosas", versão de "Rose Garden", que ficou mais conhecida que a original, de tal forma que a intérprete original é tratada pelo nosso público matuto como se tivesse gravado o sucesso dos Fevers, idealizadores do "irrit-pareide" que hoje domina o país.

Mas aí você pergunta quem é esse tal de Ivanilton que foi citado nesse texto. Ora, é um carinha de Recife que se achava o "maior gênio da música mundial", foi gravar imitações de pop ianque com o nome de Michael Sullivan e depois virou o "Rei do Jabá" que alegrava a moçada (sobretudo os baixinhos da Xuxa, que recebiam, em boa parte, suas composições gravadas pela moça).

Michael Sullivan foi endeusado por barbaridades como "Um Dia de Domingo", gravada por um complacente Tim Maia em dueto com uma contrariada Gal Costa, e "Whisky a Go-go", com um Roupa Nova musicalmente enfraquecido (os caras são bons músicos) e cuja letra tratava um zé-mané como Johnny Rivers como se fosse "o rei do rock'n'roll".

Sullivan queria acabar com a MPB, destruir a cultura brasileira, jogar o nosso rico, suado e sangrento legado musical brasileiro, na melhor das hipóteses, para os almoxarifados dos museus, jogar nossos mestres para o ostracismo e tudo o mais.

Mas como brasileiro é tão bonzinho e carioca também - este só é mauzinho contra aqueles que pensam diferente dele - , Sullivan, no país em que Collor é reabilitado por seus opositores, tentou uma "bem-sucedida" volta à carreira carregado pelos mesmos emepebistas que queria destruir. Exceto aqueles que não têm coração-bobo, como Alceu Valença.

E aí vemos que os Fevers, a banda que, nos seus piores momentos, em que se entregou a um apetite mercantilista que hoje vemos na revista Veja, lançou o "gênio" Michael Sullivan, fez "Mar de Rosas" ficar mais conhecida que "I Never Promised You a Rose Garden".

Coitada da Lynn Anderson e do compositor Joe South, que fez a canção, envolvidos nesse grande sucesso musical, serem tratados no Brasil como se eles é que tivessem sido ligados à versão de um sucesso dos Fevers.

Fica aqui nossa solidariedade aos fãs, familiares e amigos de Lynn Anderson diante dessa triste perda.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Espírito de Equipe

Recebemos em nosso e-mail uma mensagem de um leitor que pediu para não identificado e que contássemos o seu caso real com nossas palavras, sem reproduzir o seu texto. Obrigado leitor e vamos contar de nossa forma o seu caso, colocando o fictício nome de "João".
"João" é um excelente profissional, cumpridor de seus deveres, que nunca faltou o trabalho por motivo fútil, é pontual e costuma concluir suas tarefas um pouco antes da hora estipulada, tendo fama de adiantar bastante o trabalho da empresa.
Era um dia normal de trabalho. João estava mais uma vez em sua tarefa quando um dos colegas, o mais extrovertido tenta puxar uma conversa, de início simpática, com o colega.
Colega 1: Oi, João, tudo bem? João: Tudo. Colega: Você é um cara legal, trabalhador, gente boa mesmo. mas não sabemos muito de você. Qual é o seu time de futeboll? João: Eu não curto muito futebol. Colega 1: O quê? Não curte futebol? Você está brincando! João: Sério. Eu não sou muito ligado em futebol. Res…

Comemoração por futebol em dia de Golpe mostra infantilidade do povo carioca

Já é consenso da maioria que o dia 31 de agosto de 2016 é um dos dias mais tristes da História brasileira. Já é o pior momento de 2016. Uma democracia conduzida por uma presidente sem culpa é derrubada por um bando de corruptos a serviço de um pequeno grupo de ricaços. Uma atitude que poderá custar as vidas de muitos brasileiros.
Mas os cariocas, em sua maioria elitistas, pareciam felizes com a deposição de Dilma. Desprovidos de altruísmo e de senso de humanidade, pouco estão se lixando se o governo que se instalou através de um golpe irá ou não prejudicar a população brasileira. A elite está tranquila. Caso o prejuízo a alcance, é só entrar em um avião e se mudar para a Europa ou para os EUA. Como os cariocas são o povo mais burro do Brasil na atualidade, o futebol sempre foi e será prioridade máxima para a população local.
É isso mesmo. Esta mesma elite, junto com a classe média e alguns pobres que a apoiaram, estavam todos, na noite do mesmo fatídico dia 31 preocupados com "c…

Marcelo Crivella é o novo prefeito do Rio de Janeiro

Com cerca de 59% dos votos válidos (curiosamente o número de sua idade), Marcelo Crivella se torna o próximo prefeito da capital do Rio de Janeiro. Freixo recebeu cerca de 40% dos votos. Abstenções foram cerca de 46% superiores a Freixo.
A vitória de Crivella já era esperada dada o grau de conservadorismo do povo carioca e o fortalecimento das religiões cristãs, além do crescimento intenso das igrejas evangélicas. O fato de Crivella ser da Universal contou com a campanha da TV Record, bem popular no RJ. 
Apesar de ter recebido apoio da Globo (muito mais por rivalidade televisiva do que por ideologia), Freixo não conseguiu se eleger, admitindo a derrota imediatamente após confirmada a vitória de Crivella, no mesmo lugar onde seria a sua festa de comemoração, caso vencesse.
Apesar de seguir um manual que orienta a transformação de sua gestão em uma teocracia, Crivella deve saber que governará também para não-evangélicos e para não cristãos. Como é moderado, é provável que o plano de te…