Eduardo Cunha finge que não está encrencado

O prepotente Eduardo Cunha já foi acusado, por um dos delatores da Operação Lava-Jato, de dar a palavra final para o esquema de corrupção da Petrobras. Cinco depoentes já revelaram vários escândalos graves de corrupção envolvendo ativamente o presidente da Câmara dos Deputados.

Apesar disso, o parlamentar parece indiferente às acusações, às vezes tenta até fazer ameaças e imagina que ele não está encrencado, empurrando os problemas com a barriga.

Não bastasse isso, Eduardo Cunha leva às últimas consequências o autoritarismo conhecido do PMDB carioca, não bastasse o partido ser remanescente dos dois da ditadura militar e sobreviver nos tempos democráticos como um parasita político (sem perfil ideológico definido, o PMDB poderia significar Parasitas Mobilizados Destroem o Brasil).

Suas pautas-bombas incluíram desde a degradação do mercado de trabalho com a terceirização, da condenação criminal de meninos carentes com a redução da maioridade penal, com a redução da família a uma estrutura arcaica de marido, esposa e filhos, entre outras coisas. Cunha legisla em causa própria, como dizem seus críticos.

E aí ele quer que empresas mantenham participação no financiamento das campanhas eleitorais, de forma a garantir a corrupção e o "rabo preso" dos políticos, fazendo com que eles governem para seus próprios financiadores. Eduardo Cunha é um dos beneficiados com isso. E seus coleguinhas daqui do Rio também. Vide Eduardo Paes e Luiz Fernando Pezão, que parecem governar para os chefões da Rio Ônibus.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Espírito de Equipe

Insensibilidade do carioca tem a ver com o consumismo

Comemoração por futebol em dia de Golpe mostra infantilidade do povo carioca