Pular para o conteúdo principal

Mais inocentes mortos no Rio. É para "otimizar" as periferias?

As autoridades cariocas não resolvem o problema de Habitação, Educação, Saúde e outros setores. Fingem que fazem todo o possível, fingem que têm soluções prontas na mente, fingem que, se não fazem, é porque estão realizando estudos, enfim, fingem, mentem, fingem e mentem. Só fazem falar.

Pois um menino inocente foi morto por bala perdida no confronto entre traficantes e policiais no Caju, numa tal de UPP (Unidade de Polícia Pacificadora) que provou não trazer qualquer tipo de segurança para os moradores dos subúrbios.

O menino se chamava Herinaldo Vinícius de Santana. Era só um pequeno estudante de 11 anos, que poderia ser um adulto trabalhador, honesto, alegre, animado e um grande amigo de seus colegas, parentes e vizinhos. Tinha muito o que fazer, talvez sem saber na ocasião, porque o tempo é que lhe mostraria os dons e todo o seu potencial, mas infelizmente tudo foi interrompido. Morreu enquanto ele brincava alegremente no local.

Ele foi atingido nas costas ontem de tarde. Não chegou a ser socorrido, porque não aguentou os graves ferimentos das balas. Revoltados, moradores do Caju foram fazer protestos na Linha Amarela. O tiroteio continuava e quem percorria o viaduto que liga a Baixada Fluminense a São Cristóvão e ao Túnel Rebouças ficou em pânico. O trânsito ficou confuso no local.

Tantos inocentes morrem por causa de tiroteios e balas perdidas. E tantas pessoas boas, mesmo as de classe média, são mortas em assaltos. Por que será que essa "guerra" unilateral, em que os criminosos não são devidamente condenados, acontece? Será que é para "otimizar" a população carioca? E por que muitos pobres trabalhadores, estudantes e crianças brincalhonas, também morrem sob a "chuva" de balas perdidas? Será que é para "otimizar" as periferias?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Espírito de Equipe

Recebemos em nosso e-mail uma mensagem de um leitor que pediu para não identificado e que contássemos o seu caso real com nossas palavras, sem reproduzir o seu texto. Obrigado leitor e vamos contar de nossa forma o seu caso, colocando o fictício nome de "João".
"João" é um excelente profissional, cumpridor de seus deveres, que nunca faltou o trabalho por motivo fútil, é pontual e costuma concluir suas tarefas um pouco antes da hora estipulada, tendo fama de adiantar bastante o trabalho da empresa.
Era um dia normal de trabalho. João estava mais uma vez em sua tarefa quando um dos colegas, o mais extrovertido tenta puxar uma conversa, de início simpática, com o colega.
Colega 1: Oi, João, tudo bem? João: Tudo. Colega: Você é um cara legal, trabalhador, gente boa mesmo. mas não sabemos muito de você. Qual é o seu time de futeboll? João: Eu não curto muito futebol. Colega 1: O quê? Não curte futebol? Você está brincando! João: Sério. Eu não sou muito ligado em futebol. Res…

Comemoração por futebol em dia de Golpe mostra infantilidade do povo carioca

Já é consenso da maioria que o dia 31 de agosto de 2016 é um dos dias mais tristes da História brasileira. Já é o pior momento de 2016. Uma democracia conduzida por uma presidente sem culpa é derrubada por um bando de corruptos a serviço de um pequeno grupo de ricaços. Uma atitude que poderá custar as vidas de muitos brasileiros.
Mas os cariocas, em sua maioria elitistas, pareciam felizes com a deposição de Dilma. Desprovidos de altruísmo e de senso de humanidade, pouco estão se lixando se o governo que se instalou através de um golpe irá ou não prejudicar a população brasileira. A elite está tranquila. Caso o prejuízo a alcance, é só entrar em um avião e se mudar para a Europa ou para os EUA. Como os cariocas são o povo mais burro do Brasil na atualidade, o futebol sempre foi e será prioridade máxima para a população local.
É isso mesmo. Esta mesma elite, junto com a classe média e alguns pobres que a apoiaram, estavam todos, na noite do mesmo fatídico dia 31 preocupados com "c…

Marcelo Crivella é o novo prefeito do Rio de Janeiro

Com cerca de 59% dos votos válidos (curiosamente o número de sua idade), Marcelo Crivella se torna o próximo prefeito da capital do Rio de Janeiro. Freixo recebeu cerca de 40% dos votos. Abstenções foram cerca de 46% superiores a Freixo.
A vitória de Crivella já era esperada dada o grau de conservadorismo do povo carioca e o fortalecimento das religiões cristãs, além do crescimento intenso das igrejas evangélicas. O fato de Crivella ser da Universal contou com a campanha da TV Record, bem popular no RJ. 
Apesar de ter recebido apoio da Globo (muito mais por rivalidade televisiva do que por ideologia), Freixo não conseguiu se eleger, admitindo a derrota imediatamente após confirmada a vitória de Crivella, no mesmo lugar onde seria a sua festa de comemoração, caso vencesse.
Apesar de seguir um manual que orienta a transformação de sua gestão em uma teocracia, Crivella deve saber que governará também para não-evangélicos e para não cristãos. Como é moderado, é provável que o plano de te…