Pular para o conteúdo principal

Rock In Rio terá preço caro, menos atrações e MENOS ROCK

Os organizadores do festival Rock In Rio deste ano, que comemora os 30 anos da primeira edição, informaram que o evento terá ingresso mais caro, menos atrações e menos rock. 

De acordo com a lista de atrações, haverá mais espaço para pop, música eletrônica e MPB. A presença de ídolos popularescos não foi divulgada. Não foi anunciada a participação de Ivete Sangalo, que costuma aparecer em tudo quanto é edição do Rock In Rio, no Rio ou fora dele.

Os brinquedos serão maiores, como a montanha-russa, mas em compensação o ingresso também sobe, de R$ 260 em 2013 a R$ 350 da tarifa inteira (seria R$ 320, se não fosse a crise), por dia. E as atrações em geral reduziram de 22 por dia (incluindo palco principal, Palco Mundo, e palcos alternativos) para 15 por dia, com início alterado de 14 horas para 15 horas.

As atrações pop são menos escancaradas mas continuam firmes: Katy Perry, Rihanna e Sam Smith. Há também o neo-soul de John Legend e Seal. Há também o Cidade Negra e atrações ligadas à música eletrônica e à MPB pós-tropicalista. Não foram anunciadas atrações popularescas, como funqueiros e "sertanejos universitários".

Já o rock conta até com quantidade considerável de atrações, mas nem todas. Boa parte é comercial, como Slipknot, Korn e o System of a Down (que, em popularidade, é uma espécie de One Direction dos roqueiros), além do poser Mötley Crüe, o emo CPM 22 e o "alternativo de fachada" Queens of the Stone Age, tão "alternativo" quanto os blocos secundários de axé-music baiana.

Bom, vai ter Metallica, Steve Vai, Angra, Nightwish, e o maior Queen Cover do mundo, aquele que conta com os membros remanescentes Brian May e Roger Taylor (houve rumores que John Deacon iria fazer parte, mas foram apenas boatos; ele se aposentou mesmo), e conta, nos vocais, com a cria de reality show Adam Lambert, que imitará George Michael imitando Freddie Mercury quando foi cantar "Somebody to Love" com o Queen.

Só que NÃO TERÁ homenagem a Jimi Hendrix, que será lembrado pelos 45 anos de morte, no dia 18 de setembro próximo, data do início do festival. Sim, Jimi, um dos maiores artistas de rock de todos os tempos, guitarrista dos mais geniais, grandioso compositor, esquecido por um festival que se diz "de rock". Mas, no Estado da Rádio Cidade, tais coisas são esperadas.

De roqueiros originais também terá Rod Stewart, que prometeu retomar o rock, já que ele andou muito pop ao longo dos anos e passou até por uma fase de standards, nas quais teve até suposto dueto com o sambrega Alexandre Pires (que desagradou os produtores do cantor inglês e só teve sua participação aproveitada nas prensagens brasileiras de um tributo à música dos EUA de Rod).

Bom não será um GRAAAAAAAANNNNNNDDEEEEEEEE festival de rock, e terá menos glamour em relação ao Rock In Rio de 1985. É certo que desde 1991 o Rock In Rio não é mais aquele e, como festival de rock, as iniciais do festival falam muito mais do que seus propósitos. Pois, como evento de rock, o Rock In Rio é uma atração que costuma fazer a gente RIR.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Espírito de Equipe

Recebemos em nosso e-mail uma mensagem de um leitor que pediu para não identificado e que contássemos o seu caso real com nossas palavras, sem reproduzir o seu texto. Obrigado leitor e vamos contar de nossa forma o seu caso, colocando o fictício nome de "João".
"João" é um excelente profissional, cumpridor de seus deveres, que nunca faltou o trabalho por motivo fútil, é pontual e costuma concluir suas tarefas um pouco antes da hora estipulada, tendo fama de adiantar bastante o trabalho da empresa.
Era um dia normal de trabalho. João estava mais uma vez em sua tarefa quando um dos colegas, o mais extrovertido tenta puxar uma conversa, de início simpática, com o colega.
Colega 1: Oi, João, tudo bem? João: Tudo. Colega: Você é um cara legal, trabalhador, gente boa mesmo. mas não sabemos muito de você. Qual é o seu time de futeboll? João: Eu não curto muito futebol. Colega 1: O quê? Não curte futebol? Você está brincando! João: Sério. Eu não sou muito ligado em futebol. Res…

Comemoração por futebol em dia de Golpe mostra infantilidade do povo carioca

Já é consenso da maioria que o dia 31 de agosto de 2016 é um dos dias mais tristes da História brasileira. Já é o pior momento de 2016. Uma democracia conduzida por uma presidente sem culpa é derrubada por um bando de corruptos a serviço de um pequeno grupo de ricaços. Uma atitude que poderá custar as vidas de muitos brasileiros.
Mas os cariocas, em sua maioria elitistas, pareciam felizes com a deposição de Dilma. Desprovidos de altruísmo e de senso de humanidade, pouco estão se lixando se o governo que se instalou através de um golpe irá ou não prejudicar a população brasileira. A elite está tranquila. Caso o prejuízo a alcance, é só entrar em um avião e se mudar para a Europa ou para os EUA. Como os cariocas são o povo mais burro do Brasil na atualidade, o futebol sempre foi e será prioridade máxima para a população local.
É isso mesmo. Esta mesma elite, junto com a classe média e alguns pobres que a apoiaram, estavam todos, na noite do mesmo fatídico dia 31 preocupados com "c…

Marcelo Crivella é o novo prefeito do Rio de Janeiro

Com cerca de 59% dos votos válidos (curiosamente o número de sua idade), Marcelo Crivella se torna o próximo prefeito da capital do Rio de Janeiro. Freixo recebeu cerca de 40% dos votos. Abstenções foram cerca de 46% superiores a Freixo.
A vitória de Crivella já era esperada dada o grau de conservadorismo do povo carioca e o fortalecimento das religiões cristãs, além do crescimento intenso das igrejas evangélicas. O fato de Crivella ser da Universal contou com a campanha da TV Record, bem popular no RJ. 
Apesar de ter recebido apoio da Globo (muito mais por rivalidade televisiva do que por ideologia), Freixo não conseguiu se eleger, admitindo a derrota imediatamente após confirmada a vitória de Crivella, no mesmo lugar onde seria a sua festa de comemoração, caso vencesse.
Apesar de seguir um manual que orienta a transformação de sua gestão em uma teocracia, Crivella deve saber que governará também para não-evangélicos e para não cristãos. Como é moderado, é provável que o plano de te…