Pular para o conteúdo principal

"Vai ouvir MP3"? Ou "Vai tomar no..."?

Ser "dono da verdade" na Internet e fazer "patrulha do estabelecido" nem sempre é garantia de que o valentão digital esteja imune a gafes vergonhosas, por mais que ele se ache com toda a razão.

Vide o caso de quem gosta de "zoar" com homens que ficam solteiros durante muito tempo, xingando-os de "virgens", "encalhados", "feiosos" e "cornos sem chifre", entre outras baixarias.

Pois esses zoadores da solteirice masculina alheia, muitas vezes, haviam acabado de sair de suas próprias gafes, quando brocharam na primeira transa com as garotas que tentavam conquistar e elas lhes deram o "fora". Ou então quando o "fora" já veio quando cada valentão digital fazia a primeira cantada a uma garota, e ela viu logo de cara que se tratava de um conquistador barato com apelo atrativo zero.

Neste caso, os valentões digitais, que posam de triunfantes nas mídias sociais, é que cometeram gafes muito piores do que os "encalhados" contra os quais "zoam" com muita raiva, porque, muitas vezes, os solteirões de longa data assim são porque estudam e trabalham de forma que não têm tempo para tentar conquistar alguma garota. E os "zoadores" não passando de desocupados querendo humilhar os outros na Internet.

Um outro exemplo se dá nesses fóruns sobre rádio nas mídias sociais. Um internauta resolveu criticar a programação da Rádio Cidade, porque ela não é especializada em rock, tem locutores engraçadinhos e seu repertório musical só toca os chamados "grandes sucessos", que é aquela seleção parcial de músicas que são comercializadas pelo mercadão radiofônico em geral, conhecido em inglês como hit-parade.

Outro internauta, que se envolve muito com rádio e é considerado um sabichão no setor - embora seu conhecimento sobre rock não vai muito além de saber que rock é "pedra" em inglês - , reagiu com sua "natural sabedoria" e disse para o discordante: "Quer rádio melhor, vá ouvir MP3".

O sabichão publicou essa mensagem com a certeza de que tem a "sabedoria" toda em suas mãos, certo de que tudo o que sua rádio preferida faz é tão certo que se um locutor é aplaudido até quando urina em público. Foi dormir tranquilo confiante de que deu a palavra final e que só "opinou" por razões de ordem técnica e logística.

Pois o sabichão, coitado, esqueceu que cometeu uma gafe violenta, dessas de tirar o sono na madrugada inteira. Pois essa conversa de "Quer rádio melhor, vá ouvir MP3", espécie de eufemismo para "Vai tomar no...", faz com que mais pessoas passem a ouvir MP3, que no caso da cultura rock garantem maior liberdade de seleção de repertório.

Com isso, mais pessoas aderem ao MP3, porque através desses arquivos de áudio com essa tecnologia, podem selecionar mais de 250 músicas para pôr no pen drive ou no celular e, por isso, não sentem a menor necessidade de ouvir uma FM comercial "de rock" que só toca sempre os mesmos sucessos e soa entediante depois de dois dias de sintonia direta.

E aí o que quer dizer o "Vá ouvir MP3"? Significa "vá ouvir menos rádio". Com menos audiência, mais radialistas são demitidos. E aí o sabichão terá que engolir seco, porque a "sábia declaração" dada por ele a um discordante significa, a médio ou curto prazo, o desemprego de dezenas e dezenas de pessoas, para não dizer centenas ou milhares...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Espírito de Equipe

Recebemos em nosso e-mail uma mensagem de um leitor que pediu para não identificado e que contássemos o seu caso real com nossas palavras, sem reproduzir o seu texto. Obrigado leitor e vamos contar de nossa forma o seu caso, colocando o fictício nome de "João".
"João" é um excelente profissional, cumpridor de seus deveres, que nunca faltou o trabalho por motivo fútil, é pontual e costuma concluir suas tarefas um pouco antes da hora estipulada, tendo fama de adiantar bastante o trabalho da empresa.
Era um dia normal de trabalho. João estava mais uma vez em sua tarefa quando um dos colegas, o mais extrovertido tenta puxar uma conversa, de início simpática, com o colega.
Colega 1: Oi, João, tudo bem? João: Tudo. Colega: Você é um cara legal, trabalhador, gente boa mesmo. mas não sabemos muito de você. Qual é o seu time de futeboll? João: Eu não curto muito futebol. Colega 1: O quê? Não curte futebol? Você está brincando! João: Sério. Eu não sou muito ligado em futebol. Res…

Comemoração por futebol em dia de Golpe mostra infantilidade do povo carioca

Já é consenso da maioria que o dia 31 de agosto de 2016 é um dos dias mais tristes da História brasileira. Já é o pior momento de 2016. Uma democracia conduzida por uma presidente sem culpa é derrubada por um bando de corruptos a serviço de um pequeno grupo de ricaços. Uma atitude que poderá custar as vidas de muitos brasileiros.
Mas os cariocas, em sua maioria elitistas, pareciam felizes com a deposição de Dilma. Desprovidos de altruísmo e de senso de humanidade, pouco estão se lixando se o governo que se instalou através de um golpe irá ou não prejudicar a população brasileira. A elite está tranquila. Caso o prejuízo a alcance, é só entrar em um avião e se mudar para a Europa ou para os EUA. Como os cariocas são o povo mais burro do Brasil na atualidade, o futebol sempre foi e será prioridade máxima para a população local.
É isso mesmo. Esta mesma elite, junto com a classe média e alguns pobres que a apoiaram, estavam todos, na noite do mesmo fatídico dia 31 preocupados com "c…

Marcelo Crivella é o novo prefeito do Rio de Janeiro

Com cerca de 59% dos votos válidos (curiosamente o número de sua idade), Marcelo Crivella se torna o próximo prefeito da capital do Rio de Janeiro. Freixo recebeu cerca de 40% dos votos. Abstenções foram cerca de 46% superiores a Freixo.
A vitória de Crivella já era esperada dada o grau de conservadorismo do povo carioca e o fortalecimento das religiões cristãs, além do crescimento intenso das igrejas evangélicas. O fato de Crivella ser da Universal contou com a campanha da TV Record, bem popular no RJ. 
Apesar de ter recebido apoio da Globo (muito mais por rivalidade televisiva do que por ideologia), Freixo não conseguiu se eleger, admitindo a derrota imediatamente após confirmada a vitória de Crivella, no mesmo lugar onde seria a sua festa de comemoração, caso vencesse.
Apesar de seguir um manual que orienta a transformação de sua gestão em uma teocracia, Crivella deve saber que governará também para não-evangélicos e para não cristãos. Como é moderado, é provável que o plano de te…