Pular para o conteúdo principal

Enquanto a MPB perde espaços no Rio de Janeiro...

Enquanto a MPB autêntica - aquela que não depende de plateias lotadas feito gado reunido para ter reconhecimento - perde espaços no Rio de Janeiro, o comercialismo da bregalização musical expande seus espaços e cria reservas de mercado.

Há tempos uma casa de espetáculos na Barra da Tijuca se tornou reduto desses ídolos comerciais para os quais fazer música é algo tão tendencioso e mercenário quanto produzir um automóvel ou vender um sabão em pó. Música com M de mercadoria, que só se torna maleável quando a intenção é agradar a freguesia (ou seja, aquele tipo de demanda que a granda mídia define como "clientela").

Esses ídolos musicais já têm um monte de espaços. Seu domínio de mercado atinge 95% do mercado de casas noturnas, 75% das programações radiofônicas (isso porque parte das FMs hoje investem em blablablá) e 80% dos espaços nos cadernos culturais da grande imprensa. E volta-e-meia a gente vê "sertanejos", "funqueiros" e "pagodeiros" choramingando porque não tocam em rádios especializadas em MPB.

Por outro lado, os emepebistas de verdade - que não dependem de plateias lotadas e estas não são tratadas como gado de fazenda - perdem espaços em rádios, espaços culturais lhes fecham, e as notas de imprensa cada vez mais acanhadas e escondidas junto a listões de eventos de casas noturnas em geral e de cinemas. Até filmes de animação da Pixar terão mais cartaz do que um grande nome da MPB a anunciar turnê.

E isso numa época em que a MPB se encanou de apenas revisitar velhos repertórios, realizar os intermináveis tributos, sem sinalizar qualquer renovação que não sejam as cantoras ecléticas que apostam na já enjoativa mistureba de Jovem Guarda com Tropicalismo.

Infelizmente, parece que os apreciadores de MPB estão felizes com os espaços que lhes restam. Acham que lhes basta tocarem em locais longínquos, pequenos e inacessíveis, aparecer em programas obscuros de canais ainda mais obscuros da TV paga - é preciso ser médium (não confundir com Chico Xavier, no fundo um católico que "via coisas") para sintonizar um canal desses - ou fazer apresentações saudosistas celebrando um passado glorioso que muitos acreditam que acabou mas fingem continuar presente.

Fazer o quê? É costume de uma parcela da "boa sociedade" carioca e culta ficar celebrando e brindando por valores e movimentos que não existem mais...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Espírito de Equipe

Recebemos em nosso e-mail uma mensagem de um leitor que pediu para não identificado e que contássemos o seu caso real com nossas palavras, sem reproduzir o seu texto. Obrigado leitor e vamos contar de nossa forma o seu caso, colocando o fictício nome de "João".
"João" é um excelente profissional, cumpridor de seus deveres, que nunca faltou o trabalho por motivo fútil, é pontual e costuma concluir suas tarefas um pouco antes da hora estipulada, tendo fama de adiantar bastante o trabalho da empresa.
Era um dia normal de trabalho. João estava mais uma vez em sua tarefa quando um dos colegas, o mais extrovertido tenta puxar uma conversa, de início simpática, com o colega.
Colega 1: Oi, João, tudo bem? João: Tudo. Colega: Você é um cara legal, trabalhador, gente boa mesmo. mas não sabemos muito de você. Qual é o seu time de futeboll? João: Eu não curto muito futebol. Colega 1: O quê? Não curte futebol? Você está brincando! João: Sério. Eu não sou muito ligado em futebol. Res…

Comemoração por futebol em dia de Golpe mostra infantilidade do povo carioca

Já é consenso da maioria que o dia 31 de agosto de 2016 é um dos dias mais tristes da História brasileira. Já é o pior momento de 2016. Uma democracia conduzida por uma presidente sem culpa é derrubada por um bando de corruptos a serviço de um pequeno grupo de ricaços. Uma atitude que poderá custar as vidas de muitos brasileiros.
Mas os cariocas, em sua maioria elitistas, pareciam felizes com a deposição de Dilma. Desprovidos de altruísmo e de senso de humanidade, pouco estão se lixando se o governo que se instalou através de um golpe irá ou não prejudicar a população brasileira. A elite está tranquila. Caso o prejuízo a alcance, é só entrar em um avião e se mudar para a Europa ou para os EUA. Como os cariocas são o povo mais burro do Brasil na atualidade, o futebol sempre foi e será prioridade máxima para a população local.
É isso mesmo. Esta mesma elite, junto com a classe média e alguns pobres que a apoiaram, estavam todos, na noite do mesmo fatídico dia 31 preocupados com "c…

Marcelo Crivella é o novo prefeito do Rio de Janeiro

Com cerca de 59% dos votos válidos (curiosamente o número de sua idade), Marcelo Crivella se torna o próximo prefeito da capital do Rio de Janeiro. Freixo recebeu cerca de 40% dos votos. Abstenções foram cerca de 46% superiores a Freixo.
A vitória de Crivella já era esperada dada o grau de conservadorismo do povo carioca e o fortalecimento das religiões cristãs, além do crescimento intenso das igrejas evangélicas. O fato de Crivella ser da Universal contou com a campanha da TV Record, bem popular no RJ. 
Apesar de ter recebido apoio da Globo (muito mais por rivalidade televisiva do que por ideologia), Freixo não conseguiu se eleger, admitindo a derrota imediatamente após confirmada a vitória de Crivella, no mesmo lugar onde seria a sua festa de comemoração, caso vencesse.
Apesar de seguir um manual que orienta a transformação de sua gestão em uma teocracia, Crivella deve saber que governará também para não-evangélicos e para não cristãos. Como é moderado, é provável que o plano de te…