Futebol é martelada, mas cariocas adoram...

A cabeça dos torcedores cariocas pode até ser oca, mas é revestida do mais sólido chumbo. Porque, sinceramente, como é que eles aguentam uma coisa martelada com insistência, falada em todos os cantos, todos os dias, 24 horas por dia, 365 dias ao ano?

Como pessoas normais conseguem aguentar pessoas falando só sobre futebol, apenas sobre futebol e cada vez mais em futebol? Um monopólio que é metralhado à exaustão!

Futebol, futebol e futebol. Até parece que não existe outra coisa a fazer na vida! Até parece que futebol desenvolve o Rio de Janeiro! Todos se esquecem que foi por causa de futebol que esta crise no país se agravou e ainda querem mais futebol! Querem mais futebol? Então tomem mais crise! Crise de montão para nunca acabar!

Mídia insiste, políticos insistem, sociedade insiste! Todos insistem com o supérfluo e inútil futebol. Fútil até no nome!! 

Amigos? Futebol! Namoradas e esposas? Futebol! Emprego? Futebol! Favores? Futebol! Dinheiro? Futebol! Futebol está em todas e em até onde ele não deveria ser chamado. Futebol é o nome da doença crônica que arrasa os cariocas! E uma doença irritante!

E a pergunta que não quer calar: será que esta maçante e massiva ladainha não cansa? Praticamente 100 anos falando sempre na mesma coisa, na mesma enfadonha modalidade esportiva e NINGUÉM ENJOA? O que faz os cariocas não enjoarem de uma rajada lançada aos montes sobre o Rio? Uma coisa repetida como uma piada velha que não provoca mais risos?

Como gostar de algo repetitivo, repetido ad nauseam sem despertar uma gotinha de vômito? Como aguentar uma martelada como essa? Será que não enche o saco? Fala-se tanto em futebol e NINGUÉM ENJOA? Qualé?!

O futebol e um monopólio irritante que não consegue dar náuseas aos cariocas. Pelo jeito a cabeça é oca, mas está muito bem protegida contra marteladas repetitivas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Espírito de Equipe

Comemoração por futebol em dia de Golpe mostra infantilidade do povo carioca

Insensibilidade do carioca tem a ver com o consumismo