Pular para o conteúdo principal

No RJ, futebol é regra de etiqueta

No Brasil, o futebol é uma obrigação social. No Rio de Janeiro mais ainda. Claro que ninguém vai assumir que o futebol e uma obrigação, pois isso faria com que o povo carioca fosse visto como antipático*. A ideia é que os que não curtem futebol é que sejam vistos como "antipáticos".

Mesmo assim a obrigatoriedade do gosto pelo futebol é escancarada a olhos vistos. Isso se deve porque o carioca, que adora padrões, praticamente só sabe se descontrair nas conversas usando o futebol como assunto (como se não existisse outro assunto para falar com  os amigos). Pouco importa se o futebol é um esporte controlado por bandidos e praticado por analfabetos. Para o "bem de todos" você deve escolher um dos 4 times mais bem sucedidos (Flamengo, Vasco, Fluminense e Botafogo) e se dedicar à "seleção" em épocas de copa. Senão, nada feito, e é praticamente expulso do convívio social.

A obrigação do gosto pelo futebol é tão absoluta que todo mundo tem que colocar um time na sua carteira de identidade. Mulheres, que dão sinais claros de desinteresse pelo futebol, encontraram um modo de fingir o gosto, pois sabem muito bem que assumir o desprezo pelo futebol gera inimizades fortes e perda de muitos direitos, sobretudo o que se pode conseguir por decisão alheia.

Apesar de amparados pela mídia e por autoridades, os torcedores têm o hábito de se fazem de vítimas diante de quem não curte futebol. Numa inversão do que acontece na prática, é recomendável acreditar no falso mito de que os que desprezam o futebol é que são autoritários, querendo impor o desprezo. Isso é falso pois tudo que o não-torcedor quer é manter distância do futebol, mesmo que quase todos gostem da modalidade esportiva. Acusar um não-torcedor de querer estragar o futebol é tão cruel e falso do que dizer que todo negro é feio, sujo e ignorante. 

Na verdade os que gostam de futebol é que são autoritários, exigindo a padronização social pelo gosto do esporte como condição sine qua non para amizades. Para os torcedores, é aceitável haver torcedores de times adversários, que até são criticados, mas ainda possuem direito ao respeito. Para os torcedores, quem não curte é que não merece respeito, por desobedecer uma regra valiosa de sociabilização que os cariocas não estão dispostos a afrouxar. 

Sabe aquela música que diz que quem não gosta de samba é doente do pé e ruim da cabeça? Substitua "samba" por "futebol" e entenderá o que os cariocas pensam sobre quem não curte futebol. Cariocas, um povo não muito democrático, que elegeu maciçamente um militar troleiro, sonha com a volta da ditadura e possui um representante bem típico na Presidência da Câmara Federal, não desiste de impor seus costumes e regras, proibindo a diversidade de pesamento que deveria ser a marca de todos os estados do país mais diversificado do mundo. 

Ser diferente no Rio de Janeiro é pecado.

-------------------------------------------------------------
* O povo carioca é o povo mais antipático do Brasil na atualidade. Não por coincidência, os comentários ofensivos que aparecem na internet, segundo pesquisas comprovadas, em sua maioria são postadas pelos compatriotas de Eduardo Cunha, o homem que está bagunçando a política brasileira. Cariocas não toleram diferenças e gostam de impor seus costumes a todos, classificando como "sangue bom" apenas os que se dispõem a seguir os padrões impostos pela elite local.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Espírito de Equipe

Recebemos em nosso e-mail uma mensagem de um leitor que pediu para não identificado e que contássemos o seu caso real com nossas palavras, sem reproduzir o seu texto. Obrigado leitor e vamos contar de nossa forma o seu caso, colocando o fictício nome de "João".
"João" é um excelente profissional, cumpridor de seus deveres, que nunca faltou o trabalho por motivo fútil, é pontual e costuma concluir suas tarefas um pouco antes da hora estipulada, tendo fama de adiantar bastante o trabalho da empresa.
Era um dia normal de trabalho. João estava mais uma vez em sua tarefa quando um dos colegas, o mais extrovertido tenta puxar uma conversa, de início simpática, com o colega.
Colega 1: Oi, João, tudo bem? João: Tudo. Colega: Você é um cara legal, trabalhador, gente boa mesmo. mas não sabemos muito de você. Qual é o seu time de futeboll? João: Eu não curto muito futebol. Colega 1: O quê? Não curte futebol? Você está brincando! João: Sério. Eu não sou muito ligado em futebol. Res…

Comemoração por futebol em dia de Golpe mostra infantilidade do povo carioca

Já é consenso da maioria que o dia 31 de agosto de 2016 é um dos dias mais tristes da História brasileira. Já é o pior momento de 2016. Uma democracia conduzida por uma presidente sem culpa é derrubada por um bando de corruptos a serviço de um pequeno grupo de ricaços. Uma atitude que poderá custar as vidas de muitos brasileiros.
Mas os cariocas, em sua maioria elitistas, pareciam felizes com a deposição de Dilma. Desprovidos de altruísmo e de senso de humanidade, pouco estão se lixando se o governo que se instalou através de um golpe irá ou não prejudicar a população brasileira. A elite está tranquila. Caso o prejuízo a alcance, é só entrar em um avião e se mudar para a Europa ou para os EUA. Como os cariocas são o povo mais burro do Brasil na atualidade, o futebol sempre foi e será prioridade máxima para a população local.
É isso mesmo. Esta mesma elite, junto com a classe média e alguns pobres que a apoiaram, estavam todos, na noite do mesmo fatídico dia 31 preocupados com "c…

Marcelo Crivella é o novo prefeito do Rio de Janeiro

Com cerca de 59% dos votos válidos (curiosamente o número de sua idade), Marcelo Crivella se torna o próximo prefeito da capital do Rio de Janeiro. Freixo recebeu cerca de 40% dos votos. Abstenções foram cerca de 46% superiores a Freixo.
A vitória de Crivella já era esperada dada o grau de conservadorismo do povo carioca e o fortalecimento das religiões cristãs, além do crescimento intenso das igrejas evangélicas. O fato de Crivella ser da Universal contou com a campanha da TV Record, bem popular no RJ. 
Apesar de ter recebido apoio da Globo (muito mais por rivalidade televisiva do que por ideologia), Freixo não conseguiu se eleger, admitindo a derrota imediatamente após confirmada a vitória de Crivella, no mesmo lugar onde seria a sua festa de comemoração, caso vencesse.
Apesar de seguir um manual que orienta a transformação de sua gestão em uma teocracia, Crivella deve saber que governará também para não-evangélicos e para não cristãos. Como é moderado, é provável que o plano de te…