Pular para o conteúdo principal

Dá para perceber por que o pessoal da Rádio Cidade odeia The Who

Já dá mesmo para perceber por que os ouvintes e os radialistas da Rádio Cidade odeiam tanto o The Who, apesar da emissora vir com esse papo de "rock de verdade" e desprezar logo uma das seminais bandas do gênero.

Note as iniciais do principal compositor e guitarrista da banda britânica: Pete Townshend. PT. As mesmas iniciais do Partido dos Trabalhadores.

Isso sem falar que as iniciais do vocalista Roger Daltrey, RD, são as iniciais, em ordem invertida, das da presidenta Dilma Rousseff, DR.

A Rádio Cidade já tem um histórico de ser reduto da juventude de extrema-direita, dessas de fazer o roqueiro Lobão parecer Chapeuzinho Vermelho (a propósito, ela era comunista?). 

Os caras odiavam ler livros, detestavam cinema de arte, queriam o fechamento do Congresso Nacional, faziam trolagem, e achavam que só aquilo que eles ouviam e acham que é "rock" (de preferência poser, poppy punk e nu metal, além de Mamonas Assassinas e Charlie Brown Jr.) é que presta.

O desprezo da Rádio Cidade ao Who é tanto que, quando, numa gravação ao vivo do U2, transmitida pela emissora, a banda irlandesa tocou "Won't Get Fooled Again", o locutor engraçadinho - espécie de Emílio Surita à beira de um ataque de nervos (hoje os locutores poperó tomaram calmante e agora falam calminho) - anunciou a música como se fosse mais uma da lavra de Bono e companhia.

Isso sem falar do fato de que a Rádio Cidade sempre tratou a versão do Limp Biskit para "Behind Blue Eyes" como se fosse do repertório da banda de Fred Durst.

Esta é a forma que a rádio do "rock de verdade" trata uma das maiores bandas da História do Rock. Dá para levar essa emissora a sério?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Espírito de Equipe

Recebemos em nosso e-mail uma mensagem de um leitor que pediu para não identificado e que contássemos o seu caso real com nossas palavras, sem reproduzir o seu texto. Obrigado leitor e vamos contar de nossa forma o seu caso, colocando o fictício nome de "João".
"João" é um excelente profissional, cumpridor de seus deveres, que nunca faltou o trabalho por motivo fútil, é pontual e costuma concluir suas tarefas um pouco antes da hora estipulada, tendo fama de adiantar bastante o trabalho da empresa.
Era um dia normal de trabalho. João estava mais uma vez em sua tarefa quando um dos colegas, o mais extrovertido tenta puxar uma conversa, de início simpática, com o colega.
Colega 1: Oi, João, tudo bem? João: Tudo. Colega: Você é um cara legal, trabalhador, gente boa mesmo. mas não sabemos muito de você. Qual é o seu time de futeboll? João: Eu não curto muito futebol. Colega 1: O quê? Não curte futebol? Você está brincando! João: Sério. Eu não sou muito ligado em futebol. Res…

Comemoração por futebol em dia de Golpe mostra infantilidade do povo carioca

Já é consenso da maioria que o dia 31 de agosto de 2016 é um dos dias mais tristes da História brasileira. Já é o pior momento de 2016. Uma democracia conduzida por uma presidente sem culpa é derrubada por um bando de corruptos a serviço de um pequeno grupo de ricaços. Uma atitude que poderá custar as vidas de muitos brasileiros.
Mas os cariocas, em sua maioria elitistas, pareciam felizes com a deposição de Dilma. Desprovidos de altruísmo e de senso de humanidade, pouco estão se lixando se o governo que se instalou através de um golpe irá ou não prejudicar a população brasileira. A elite está tranquila. Caso o prejuízo a alcance, é só entrar em um avião e se mudar para a Europa ou para os EUA. Como os cariocas são o povo mais burro do Brasil na atualidade, o futebol sempre foi e será prioridade máxima para a população local.
É isso mesmo. Esta mesma elite, junto com a classe média e alguns pobres que a apoiaram, estavam todos, na noite do mesmo fatídico dia 31 preocupados com "c…

Marcelo Crivella é o novo prefeito do Rio de Janeiro

Com cerca de 59% dos votos válidos (curiosamente o número de sua idade), Marcelo Crivella se torna o próximo prefeito da capital do Rio de Janeiro. Freixo recebeu cerca de 40% dos votos. Abstenções foram cerca de 46% superiores a Freixo.
A vitória de Crivella já era esperada dada o grau de conservadorismo do povo carioca e o fortalecimento das religiões cristãs, além do crescimento intenso das igrejas evangélicas. O fato de Crivella ser da Universal contou com a campanha da TV Record, bem popular no RJ. 
Apesar de ter recebido apoio da Globo (muito mais por rivalidade televisiva do que por ideologia), Freixo não conseguiu se eleger, admitindo a derrota imediatamente após confirmada a vitória de Crivella, no mesmo lugar onde seria a sua festa de comemoração, caso vencesse.
Apesar de seguir um manual que orienta a transformação de sua gestão em uma teocracia, Crivella deve saber que governará também para não-evangélicos e para não cristãos. Como é moderado, é provável que o plano de te…