Equipe de "funk" diz "Fora Dilma". A sua maneira

Os funqueiros andam puxando o saco da presidenta Dilma Rousseff, visando abocanhar uma grana do Ministério da Cultura.

Recentemente, foi a vez da equipe Furacão 2000, do milionário empresário e DJ Rômulo Costa, a fazer um evento em Copacabana, misturando "baile funk" com "manifestação", dizendo-se "solidário" à permanência de Dilma no poder.

Mui amigos.

O "funk" é sempre famoso por adotar discursos contrários. Tem o apoio da Rede Globo, mas se diz "discriminado pela grande mídia". Promove valores machistas, mas suas mulheres-objetos se dizem "feministas". Trata o povo pobre de maneira caricata e faz apologia à ignorância e à miséria, mas se acha "a verdadeira cultura popular". E ainda faz ufanismo das favelas, ambientes de construção irregular e arriscada, mas vistas como "lugar melhor para o povo das periferias viver". Faz jabaculê, mas tenta se afirmar como "folclore autêntico" e "cultura séria".

Neste caso, o "fica Dilma" da Furacão 2000 tem um certo sabor de "Fora Dilma". Até pelo grotesco que o "funk" representa, isso soa como se seguidores do reacionário senador dos EUA Joseph McCarthy (1908-1957) tivessem apoiado a Revolução Cubana.

Se o "funk" tem um talento - se é que possa ter um - , é o de poder dizer "não" usando o "sim" e vice-versa. Com um evento desses, o país não vai aguentar Dilma permanecendo no poder, ainda mais com esse apoio "da pesada".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Espírito de Equipe

Comemoração por futebol em dia de Golpe mostra infantilidade do povo carioca

Prisão de Cunha é etapa de um jogo político