Pular para o conteúdo principal

Se quer ter uma ideia do que seriam Temer e o PMDB no governo, olhe para o Rio

Por: Mauro Donato , publicado no Diário do Centro do Mundo

Aviso: se o leitor for carioca está autorizado a pular a coluna de hoje pois já conhece bem a realidade que irei retratar.

Mas para aqueles que festejaram o resultado de domingo e estão entusiasmados com as notícias de que Michel Temer já busca montar uma equipe de peso e que “qualquer coisa será melhor afinal pior que está não fica”, aconselho uma subida na laje para apreciar o Rio de Janeiro, estado sob o governo do PMDB há quase dez anos.

Desde que passou para as mãos de Sérgio Cabral, em 2007, o endividamento do Estado cresceu 112% e chegou a cinematográficos R$ 107 bilhões.

Hoje a saúde está terminal. Faltam medicamentos nas unidades de Pronto Atendimento e hospitais públicos chegam a suspender o atendimento.

Sem verbas, a Fundação de Amparo à Pesquisa interrompeu estudos sobre o zika vírus.

Na rede pública de ensino, professores estão em greve há quase dois meses e na manhã de ontem (18 de abril) mais sete escolas foram ocupadas por estudantes, totalizando 54 as unidades tomadas pelo movimento estudantil em vinte cidades de todo Estado.

Aposentados estão sem receber, assim como ainda falta o 13º salário de diversas categorias de servidores públicos que resolveram decretar greve geral.

Sobre segurança pública melhor nem citar. É obsceno.

Mas para os amigos, tudo. Já sob o governador Pezão, o governo do Rio assumiu no final do ano passado uma dívida de R$ 39 milhões que a Supervia tinha com a Light. A Supervia opera o transporte ferroviário e é controlada pela… tcharam!! Odebrecht.

A Odebrecht, como você está cansado de saber, é suspeita de pagar propina de R$ 2,5 milhões a Sérgio Cabral (o ex-governador que, segundo delatores premiados, também recebeu propinas da Andrade Gutierrez e gosta de fazer gracinha em restaurantes caros de Paris com o guardanapo na cabeça).

Com toda essa promiscuidade e política de isenções fiscais para as empreiteiras e empresas amigas, o governo PMDB no Rio de Janeiro deixou de recolher R$ 138 milhões apenas em ICMS.

“O colapso no Rio de Janeiro não é causado pela crise do petróleo, como alega o governo, mas pelo modelo de gestão peemedebista”, afirma o deputado Marcelo Freixo (PSOL).


É esse cenário que se quer ver ampliado para o governo federal? Michel Temer é o presidente do PMDB desde 2001 (é filiado ao partido há 35 anos). Ele não sabia de nada disso? Quando assinou as mesmas ‘pedaladas fiscais’ enquanto esteve interinamente na presidência cobrindo Dilma em viagens oficiais, o fez de olhos vendados?

A perspectiva de um governo Michel Temer é tão ruim que até mesmo aqueles que colocaram pilha no processo de impeachment agora querem ficar longe dele. No dia seguinte à votação do plenário, Temer se reuniu com Aécio Neves e Armínio Fraga.

O economista disse ‘muito obrigado’ mas declarou que não assumiria o Ministério da Fazenda. Já o neto de Tancredo Neves, com toda sua marotice, também afirmou que seu PSDB não irá ocupar cargos. “Aê Michel, tamo junto. Vai indo que eu não vou.”

Agora resta saber quando haverá outra comemoração efusiva em verde e amarelo como vimos na noite de domingo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Espírito de Equipe

Recebemos em nosso e-mail uma mensagem de um leitor que pediu para não identificado e que contássemos o seu caso real com nossas palavras, sem reproduzir o seu texto. Obrigado leitor e vamos contar de nossa forma o seu caso, colocando o fictício nome de "João".
"João" é um excelente profissional, cumpridor de seus deveres, que nunca faltou o trabalho por motivo fútil, é pontual e costuma concluir suas tarefas um pouco antes da hora estipulada, tendo fama de adiantar bastante o trabalho da empresa.
Era um dia normal de trabalho. João estava mais uma vez em sua tarefa quando um dos colegas, o mais extrovertido tenta puxar uma conversa, de início simpática, com o colega.
Colega 1: Oi, João, tudo bem? João: Tudo. Colega: Você é um cara legal, trabalhador, gente boa mesmo. mas não sabemos muito de você. Qual é o seu time de futeboll? João: Eu não curto muito futebol. Colega 1: O quê? Não curte futebol? Você está brincando! João: Sério. Eu não sou muito ligado em futebol. Res…

Comemoração por futebol em dia de Golpe mostra infantilidade do povo carioca

Já é consenso da maioria que o dia 31 de agosto de 2016 é um dos dias mais tristes da História brasileira. Já é o pior momento de 2016. Uma democracia conduzida por uma presidente sem culpa é derrubada por um bando de corruptos a serviço de um pequeno grupo de ricaços. Uma atitude que poderá custar as vidas de muitos brasileiros.
Mas os cariocas, em sua maioria elitistas, pareciam felizes com a deposição de Dilma. Desprovidos de altruísmo e de senso de humanidade, pouco estão se lixando se o governo que se instalou através de um golpe irá ou não prejudicar a população brasileira. A elite está tranquila. Caso o prejuízo a alcance, é só entrar em um avião e se mudar para a Europa ou para os EUA. Como os cariocas são o povo mais burro do Brasil na atualidade, o futebol sempre foi e será prioridade máxima para a população local.
É isso mesmo. Esta mesma elite, junto com a classe média e alguns pobres que a apoiaram, estavam todos, na noite do mesmo fatídico dia 31 preocupados com "c…

Marcelo Crivella é o novo prefeito do Rio de Janeiro

Com cerca de 59% dos votos válidos (curiosamente o número de sua idade), Marcelo Crivella se torna o próximo prefeito da capital do Rio de Janeiro. Freixo recebeu cerca de 40% dos votos. Abstenções foram cerca de 46% superiores a Freixo.
A vitória de Crivella já era esperada dada o grau de conservadorismo do povo carioca e o fortalecimento das religiões cristãs, além do crescimento intenso das igrejas evangélicas. O fato de Crivella ser da Universal contou com a campanha da TV Record, bem popular no RJ. 
Apesar de ter recebido apoio da Globo (muito mais por rivalidade televisiva do que por ideologia), Freixo não conseguiu se eleger, admitindo a derrota imediatamente após confirmada a vitória de Crivella, no mesmo lugar onde seria a sua festa de comemoração, caso vencesse.
Apesar de seguir um manual que orienta a transformação de sua gestão em uma teocracia, Crivella deve saber que governará também para não-evangélicos e para não cristãos. Como é moderado, é provável que o plano de te…