Pular para o conteúdo principal

58 anos após caso Aída Curi, dois homens caem de um prédio em Copacabana

Na última terça-feira, 24, dois homens caíram de um prédio na Rua Figueiredo Magalhães, em Copacabana, 598, após uma discussão.

Paulo Lampas Domingues Lourenzo, de 60 anos, caiu do 9º andar do prédio, morrendo no local, e, pouco depois, Erick Alessandro Menegotto, de 22 anos, caiu e foi socorrido com vida para o Hospital Miguel Couto, mas não resistiu aos ferimentos.
O caso ocorreu cerca de 58 anos depois do famoso caso de queda de uma pessoa do alto de um edifício. Em 14 de julho de 1958, a jovem estudante Aída Cúri, de apenas 18 anos, morreu ao cair do alto do edifício Rio Nobre, na Av. Atlântica, também em Copacabana.

Ela teria sido empurrada depois de sofrer tentativa de assédio sexual de uma gangue de jovens, Ronaldo Castro, então com 19 anos, Cássio Murilo, de 17, e o porteiro Antônio Sousa, de 27.

Cássio era menor e não foi julgado mas os outros dois acusados o apontavam como autor do crime. O julgamento dos assassinos repercutiu em todo o país e, no todo, as condenações incluíram não só homicídio, como atentado ao pudor e tentativa de estupro. Eles teriam sido condenados à prisão, exceto Cássio, que, por ser menor, foi encaminhado para o Serviço de Assistência ao Menor (SAM), e depois solto.

Há indícios de que Ronaldo é o único dos três que ainda está vivo. Ele virou empresário e vive no Espírito Santo. Cássio teria sido assassinado em 1978, depois de uma breve carreira de crimes. Antônio teve paradeiro ignorado, mas é pouco provável que, pela idade, estivesse vivo hoje.

Quanto aos dois incidentes, o de 1958 e 2016, a única diferença é que o Rio de Janeiro vivia um tempo mais glamouroso na época de Aída Cúri. Hoje o Rio de Janeiro sofre uma decadência tão vertiginosa quanto a velocidade das quedas dos corpos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Espírito de Equipe

Recebemos em nosso e-mail uma mensagem de um leitor que pediu para não identificado e que contássemos o seu caso real com nossas palavras, sem reproduzir o seu texto. Obrigado leitor e vamos contar de nossa forma o seu caso, colocando o fictício nome de "João".
"João" é um excelente profissional, cumpridor de seus deveres, que nunca faltou o trabalho por motivo fútil, é pontual e costuma concluir suas tarefas um pouco antes da hora estipulada, tendo fama de adiantar bastante o trabalho da empresa.
Era um dia normal de trabalho. João estava mais uma vez em sua tarefa quando um dos colegas, o mais extrovertido tenta puxar uma conversa, de início simpática, com o colega.
Colega 1: Oi, João, tudo bem? João: Tudo. Colega: Você é um cara legal, trabalhador, gente boa mesmo. mas não sabemos muito de você. Qual é o seu time de futeboll? João: Eu não curto muito futebol. Colega 1: O quê? Não curte futebol? Você está brincando! João: Sério. Eu não sou muito ligado em futebol. Res…

Comemoração por futebol em dia de Golpe mostra infantilidade do povo carioca

Já é consenso da maioria que o dia 31 de agosto de 2016 é um dos dias mais tristes da História brasileira. Já é o pior momento de 2016. Uma democracia conduzida por uma presidente sem culpa é derrubada por um bando de corruptos a serviço de um pequeno grupo de ricaços. Uma atitude que poderá custar as vidas de muitos brasileiros.
Mas os cariocas, em sua maioria elitistas, pareciam felizes com a deposição de Dilma. Desprovidos de altruísmo e de senso de humanidade, pouco estão se lixando se o governo que se instalou através de um golpe irá ou não prejudicar a população brasileira. A elite está tranquila. Caso o prejuízo a alcance, é só entrar em um avião e se mudar para a Europa ou para os EUA. Como os cariocas são o povo mais burro do Brasil na atualidade, o futebol sempre foi e será prioridade máxima para a população local.
É isso mesmo. Esta mesma elite, junto com a classe média e alguns pobres que a apoiaram, estavam todos, na noite do mesmo fatídico dia 31 preocupados com "c…

Marcelo Crivella é o novo prefeito do Rio de Janeiro

Com cerca de 59% dos votos válidos (curiosamente o número de sua idade), Marcelo Crivella se torna o próximo prefeito da capital do Rio de Janeiro. Freixo recebeu cerca de 40% dos votos. Abstenções foram cerca de 46% superiores a Freixo.
A vitória de Crivella já era esperada dada o grau de conservadorismo do povo carioca e o fortalecimento das religiões cristãs, além do crescimento intenso das igrejas evangélicas. O fato de Crivella ser da Universal contou com a campanha da TV Record, bem popular no RJ. 
Apesar de ter recebido apoio da Globo (muito mais por rivalidade televisiva do que por ideologia), Freixo não conseguiu se eleger, admitindo a derrota imediatamente após confirmada a vitória de Crivella, no mesmo lugar onde seria a sua festa de comemoração, caso vencesse.
Apesar de seguir um manual que orienta a transformação de sua gestão em uma teocracia, Crivella deve saber que governará também para não-evangélicos e para não cristãos. Como é moderado, é provável que o plano de te…