Pular para o conteúdo principal

Decadência do Rio de Janeiro mostra como Temer e sua equipe conduzirão o país

Não é preciso ser inteligente para perceber o que o governo Temer fará com o país. Basta observar o que acontece no Rio de Janeiro, um estado em franca decadência e com sintomas mais graves da crise mundial que se arrasta graças ao fracasso do Capitalismo e das formas equivocadas de Globalização.

O Rio de Janeiro é o estado do país onde os sintomas de crise são mais visíveis. E nem adianta colocar culpa em petistas ou em quem quer que fosse. No Rio de Janeiro, os culpados são claros e escancarados: os integrantes do PMDB carioca, incompetentes, autoritários e sem personalidade própria, preferindo parasitar em partidos alheios para matá-los em seguida.

A decadência do estado que tem a outrora "Cidade Maravilhosa" como capital já não pode ser  mais escondida. Com uma população elitista, preconceituosa, exigente, além de preguiçosa e acomodada, o Rio de Janeiro dos últimos anos tem preferido preservar medidas ideias e características antiquadas e eliminar focos de real modernização. O estado que quer padronizar visualmente suas frotas de ônibus se esforça para padronizar tudo que encontra pela frente, desprezando a vocação brasileira à diversidade, obrigando os moradores do estado a terem mesmas ideias, gostos e convicções.

Fora o fato do carioca ter hábitos reprováveis, como fumar, berrar em horas e lugares impróprios por causa de futebol, de condicionar amizades a exigências supérfluas. O desprezo por uma vida saudável é nítido pois além do fumo, tipos menos saudáveis de açúcar e arroz, por exemplo, são mais consumidos por quem mora no estado do Rio de Janeiro.

A preferência por lugares escuros (pouco iluminados e pintados com paredes pintadas em tons escuros), a "preservação" de imóveis em estado deplorável, o relaxamento com a higiene e a organização (lojas que empilham o estoque no meio das lojas, de forma espalhada), são alguns do fatores que mostram a vocação do carioca pela desorganização e que tem contribuído bastante para a decadência do estado.

Fora o elitismo e a arrogância tipica de um povo que se recusa a evoluir poque pensa que está evoluído. O povo carioca é ainda - infelizmente - o mais influente culturalmente - e a sua decadência pode estimular a decadência de outros estados que decidam seguir os cariocas pensando ser estes o povo intelectualmente mais desenvolvido do país, um mito que foi drasticamente derrubado na prática.

Triste ver o Rio de Janeiro em decadência. Não estamos felizes com isso. E o mais preocupante é que as gestões que contribuem para a decadência vertiginosa do Rio de Janeiro são as mesmas que recebem a responsabilidade de governar o país aós o golpe mal ajambrado financiado por forças ocultas do mais poderosos empresariado.

Se observarmos bem o que acontece no Rio de Janeiro, é para ficarmos preocupados sobre o que pode acontecer no país. Temer, apesar de paulista, já mostra claramente o modus operandi do PMDB carioca, já que mesmo deposto, Eduardo Cunha, mentor de Temer, ainda comanda secretamente as decisões nacionais, junto do tucano Aécio Neves, verdadeiro interessado pelo golpe.

Se depender do que o PMDB fez com o Rio de Janeiro, teremos um país subdesenvolvido, abandonado, injusto e cada vez mais incapaz de resolver seus problemas tradicionais. Com a mais absoluta certeza, trocamos o ruim pelo pior. 

Lá vem o Brasil - literalmente - descendo a ladeira...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Espírito de Equipe

Recebemos em nosso e-mail uma mensagem de um leitor que pediu para não identificado e que contássemos o seu caso real com nossas palavras, sem reproduzir o seu texto. Obrigado leitor e vamos contar de nossa forma o seu caso, colocando o fictício nome de "João".
"João" é um excelente profissional, cumpridor de seus deveres, que nunca faltou o trabalho por motivo fútil, é pontual e costuma concluir suas tarefas um pouco antes da hora estipulada, tendo fama de adiantar bastante o trabalho da empresa.
Era um dia normal de trabalho. João estava mais uma vez em sua tarefa quando um dos colegas, o mais extrovertido tenta puxar uma conversa, de início simpática, com o colega.
Colega 1: Oi, João, tudo bem? João: Tudo. Colega: Você é um cara legal, trabalhador, gente boa mesmo. mas não sabemos muito de você. Qual é o seu time de futeboll? João: Eu não curto muito futebol. Colega 1: O quê? Não curte futebol? Você está brincando! João: Sério. Eu não sou muito ligado em futebol. Res…

Comemoração por futebol em dia de Golpe mostra infantilidade do povo carioca

Já é consenso da maioria que o dia 31 de agosto de 2016 é um dos dias mais tristes da História brasileira. Já é o pior momento de 2016. Uma democracia conduzida por uma presidente sem culpa é derrubada por um bando de corruptos a serviço de um pequeno grupo de ricaços. Uma atitude que poderá custar as vidas de muitos brasileiros.
Mas os cariocas, em sua maioria elitistas, pareciam felizes com a deposição de Dilma. Desprovidos de altruísmo e de senso de humanidade, pouco estão se lixando se o governo que se instalou através de um golpe irá ou não prejudicar a população brasileira. A elite está tranquila. Caso o prejuízo a alcance, é só entrar em um avião e se mudar para a Europa ou para os EUA. Como os cariocas são o povo mais burro do Brasil na atualidade, o futebol sempre foi e será prioridade máxima para a população local.
É isso mesmo. Esta mesma elite, junto com a classe média e alguns pobres que a apoiaram, estavam todos, na noite do mesmo fatídico dia 31 preocupados com "c…

Marcelo Crivella é o novo prefeito do Rio de Janeiro

Com cerca de 59% dos votos válidos (curiosamente o número de sua idade), Marcelo Crivella se torna o próximo prefeito da capital do Rio de Janeiro. Freixo recebeu cerca de 40% dos votos. Abstenções foram cerca de 46% superiores a Freixo.
A vitória de Crivella já era esperada dada o grau de conservadorismo do povo carioca e o fortalecimento das religiões cristãs, além do crescimento intenso das igrejas evangélicas. O fato de Crivella ser da Universal contou com a campanha da TV Record, bem popular no RJ. 
Apesar de ter recebido apoio da Globo (muito mais por rivalidade televisiva do que por ideologia), Freixo não conseguiu se eleger, admitindo a derrota imediatamente após confirmada a vitória de Crivella, no mesmo lugar onde seria a sua festa de comemoração, caso vencesse.
Apesar de seguir um manual que orienta a transformação de sua gestão em uma teocracia, Crivella deve saber que governará também para não-evangélicos e para não cristãos. Como é moderado, é provável que o plano de te…