Pular para o conteúdo principal

Espírito de Equipe

Recebemos em nosso e-mail uma mensagem de um leitor que pediu para não identificado e que contássemos o seu caso real com nossas palavras, sem reproduzir o seu texto. Obrigado leitor e vamos contar de nossa forma o seu caso, colocando o fictício nome de "João".

"João" é um excelente profissional, cumpridor de seus deveres, que nunca faltou o trabalho por motivo fútil, é pontual e costuma concluir suas tarefas um pouco antes da hora estipulada, tendo fama de adiantar bastante o trabalho da empresa.

Era um dia normal de trabalho. João estava mais uma vez em sua tarefa quando um dos colegas, o mais extrovertido tenta puxar uma conversa, de início simpática, com o colega.

Colega 1: Oi, João, tudo bem?
João: Tudo.
Colega: Você é um cara legal, trabalhador, gente boa mesmo. mas não sabemos muito de você. Qual é o seu time de futeboll?
João: Eu não curto muito futebol.
Colega 1: O quê? Não curte futebol? Você está brincando!
João: Sério. Eu não sou muito ligado em futebol. Respeito, mas não me interessa.
Colega 1: Mas peraí! Aqui no Rio todo mundo curte futebol.
Colega 2: O quê? João não curte futebol? Tá vacilando! É a melhor coisa que temos aqui! Não há quem não goste!
Colega 3: Acho que é uma pegadinha...
João: Não é não, eu simplesmente não curto. Já disse que eu respeito, mas não me divirto com isso.
Colega 1: Rapaz, você precisa entender certas coisas... Aqui todo mundo tem que gostar. É o que nos une no Rio de Janeiro!
Colega 3: Nem precisa ser o mesmo time que o nosso. Basta torcer por algum.
João: Não me sinto obrigado a gostar de futebol. Não há lei que me obrigue.
Colega 2: Puxa, mas nem um timinho? E a seleção, gosta, Na copa, você gosta!
João: O futebol é o mesmo seja nos campeonatos loais, seja na copa. É hipocrisia desprezar o futebol para gostar em época de copa. Não. Eu não curto futebol! Em qualquer ocasião!
Colega 1: Eu pensava que você era gente boa! Que a gente era amigo...
Colega 3: Você não é patriota? Brasil sem futebol não é Brasil!
Colega 2: Você vai ficar sozinho! Está se isolando, cara!
João: Se amizade depende da adesão a uma forma de lazer ao invés da valorização de caráter, então nada feito. Me deixem em paz que eu tenho que entregar esta tarefa no fim do dia.

Dias depois, o Colega 1 vai ao escritório do chefe.

Chefe: Hoje estou feliz. O trabalho está indo de vento em popa. Estamos cumprindo nossas tarefas e lucrando bastante. Graças a boa equipe que eu tenho.
Colega 1: É chefe, mas temos uma ovelha negra.
Chefe: Como assim? Um infiltrado?
Colega 1: Nada disso, chefe! É o João!
Chefe: O que tem o João? Vocês são bons, mas saibam que ele é o nosso melhor funcionário.
Colega 1: É mas ele não tem espírito de equipe.
Chefe: O que você quer dizer com isso?
Colega 1: Ele não gosta de futebol.
Chefe: É, isso é um problema. Mas se não atrapalha o serviço, eu não me importo.
Colega 1: Mas chefe, hoje o espírito de equipe é muito valorizado nas empresas. E se estende a atividades extra-trabalho. Colega que é colega se une em todas as horas, inclusive nessa.
Chefe. Olha, eu sei que isso é importante. Mas João faz excelente trabalho e não tenho meios legais para puni-lo por causa de gosto pelo esporte. Vá trabalhar e deixe-o em paz.

O Colega 1 sai contrariado da conversa, chateado por não poder punir o colega que achou chato por não ter o mesmo pensamento. Decide tomar uma atitude.

Dias depois, notou que precisava refazer todas as suas tarefas, chegou a ser preso pelos colegas em um banheiro, na hora do almoço, para não voltar ao trabalho em tempo certo, foi alvo de boatos sobre sua forjada queda de desempenho e acabou demitido da empresa. "João" teve o seu trabalho sabotado. Tudo porque sua preferência de lazer não foi bem compreendida pelos colegas que passaram toda a vida acreditando na falsa unanimidade do carioca no gosto pelo futebol.

Felizmente o mesmo e-mail enviado por "João" nos informou que ele arrumou outro emprego, com quase o mesmo salário (um pouco maior até) em uma empresa de menor porte. Como ele sempre foi um excelente profissional e a repercussão do ocorrido não foi convincente (a nova empresa percebeu que a anterior abusou), ele pode voltar ao trabalho. Mas ainda assim, "João" ficou indignado com o ocorrido e pede para que divulguemos este triste acontecimento que comprova que todo fanatismo, a crença em estereótipos e o desrespeito ao direito de não curtir algo popular pode ser altamente nocivos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Comemoração por futebol em dia de Golpe mostra infantilidade do povo carioca

Já é consenso da maioria que o dia 31 de agosto de 2016 é um dos dias mais tristes da História brasileira. Já é o pior momento de 2016. Uma democracia conduzida por uma presidente sem culpa é derrubada por um bando de corruptos a serviço de um pequeno grupo de ricaços. Uma atitude que poderá custar as vidas de muitos brasileiros.
Mas os cariocas, em sua maioria elitistas, pareciam felizes com a deposição de Dilma. Desprovidos de altruísmo e de senso de humanidade, pouco estão se lixando se o governo que se instalou através de um golpe irá ou não prejudicar a população brasileira. A elite está tranquila. Caso o prejuízo a alcance, é só entrar em um avião e se mudar para a Europa ou para os EUA. Como os cariocas são o povo mais burro do Brasil na atualidade, o futebol sempre foi e será prioridade máxima para a população local.
É isso mesmo. Esta mesma elite, junto com a classe média e alguns pobres que a apoiaram, estavam todos, na noite do mesmo fatídico dia 31 preocupados com "c…

Marcelo Crivella é o novo prefeito do Rio de Janeiro

Com cerca de 59% dos votos válidos (curiosamente o número de sua idade), Marcelo Crivella se torna o próximo prefeito da capital do Rio de Janeiro. Freixo recebeu cerca de 40% dos votos. Abstenções foram cerca de 46% superiores a Freixo.
A vitória de Crivella já era esperada dada o grau de conservadorismo do povo carioca e o fortalecimento das religiões cristãs, além do crescimento intenso das igrejas evangélicas. O fato de Crivella ser da Universal contou com a campanha da TV Record, bem popular no RJ. 
Apesar de ter recebido apoio da Globo (muito mais por rivalidade televisiva do que por ideologia), Freixo não conseguiu se eleger, admitindo a derrota imediatamente após confirmada a vitória de Crivella, no mesmo lugar onde seria a sua festa de comemoração, caso vencesse.
Apesar de seguir um manual que orienta a transformação de sua gestão em uma teocracia, Crivella deve saber que governará também para não-evangélicos e para não cristãos. Como é moderado, é provável que o plano de te…