A pior crise do Rio de Janeiro não é a econômica. É de personalidade

O Rio de Janeiro, não somente a capital, mas o estado todo, está em crise. Claro que a crise carioca é resultante da crise gerada pela ganância capitalista. Mas ao invés de criar meios de superá-la, preferiu se afundar ainda mais. Organizar copa e olimpíadas foi uma decisão equivocada. Mesmo bem sucedidas, geraram um rombo imenso nos cofres públicos. De qualquer forma, a crise é tanta que o governador interino (o principal estava licenciado) decretou a falência do estado, em documento.
Mas observando bem a rotina do povo da Região Metropolitana do Rio de Janeiro (que é a que eu posso observar), noto que a crise econômica é só uma das muitas crises pelas que passa a região. Aliás, a crise econômica, por incrível que pareça, é a mais fácil de ser resolvida. Há uma crise crônica muito pior, que não dá sinais de que será resolvida, sequer a longo prazo.

O carioca, por se achar o povo mais influente do Brasil, adquiriu um misto de arrogância e teimosia, que faz o povo da região perpetuar em seus defeitos, erros e preconceitos. O povo local vive uma crise de personalidade que está transformando o carioca em um dos povos mais ignorantes do país. Curiosamente, são os povos estigmatizados como evoluídos, como cariocas e curitibanos que estão dando sinais claros de burrice e insensibilidade que promete ser crônica.

O Rio de Janeiro virou a meca do consumismo e as relações humanas ficaram vinculadas ao consumismo. As amizades se tornaram condicionais. A ditadura do futebol que divide a sociedade de acordo com os 4 principais times, acaba por excluir do convívio quem se recusa a se assumir como torcedor de um dos "quatro fantásticos". 

No Rio, desprezar o futebol é sinônimo de solidão e perda de  importantes direitos que só podem ser adquiridos com o convívio social, incluindo os essenciais emprego e vida amorosa. O consumismo e o fanatismo da diversão viraram moedas para o bom convívio com outras pessoas.

Para piorar, a intolerância cresce de modo assustador no Rio de Janeiro que, junto com a capital paranaense, vê um crescimento discreto, mas rápido, de tendências fascistas que prometem agravar a vocação excludente do povo carioca. Pesquisas comprovam que uma imensa maioria de postagens com manifestações de ódio e preconceito tem computadores instalados no Rio de Janeiro como emissores.

Eu mesmo comprovei pessoalmente a natureza agressiva do povo carioca, capaz de comemorar um gol não com a alegria de uma pessoa sadia, mas com o rugir de um leão faminto. Opiniões que desmentem valores estabelecidos são atacados de forma violenta, com ofensas, ameaças e até mesmo ataques virtuais (transmissão intencional de vírus e malwares). Etnias que não correspondam ao branco caucasiano, sofrem sérias demonstrações preconceitos que para os emissores parece natural e livre de punição. Um horror.

A personalidade arrogante e intolerante do carioca tem gerado uma crise muito pior que a econômica. Há suspeitas de que essa crise de personalidade possa ser um grande obstáculo para a recuperação econômica do Rio de Janeiro. Os cariocas não irão abrir mão de seus supérfluos na tentativa de economizar gastos. Provavelmente vão preferir cortar - pasmem! - cortar o necessário para que o consumismo que dá orgulho ao carioca não seja cancelado.

Pelo jeito a crise carioca vai demorar décadas pera acabar. E poderá acabar muito mais tarde do que somos capazes de imaginar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Espírito de Equipe

Comemoração por futebol em dia de Golpe mostra infantilidade do povo carioca

Prisão de Cunha é etapa de um jogo político