Pular para o conteúdo principal

Insensibilidade do carioca tem a ver com o consumismo

O povo carioca é insensível. Quando resolve ser amigo de alguém, o faz de maneira condicional, exigindo gostos e interesses similares. 

Cariocas não costumam ser carinhosos e até as mulheres são difíceis de se conquistar, estas impondo certos lugares (em geral boates e similares) como lugares e situações de  paquera. Tudo a ver com consumismo.

Há muito se sabe, embora não se admita, que os cariocas são interesseiros e exigem condições para estabelecer ou firmar amizades. No Rio, amizades não são feitas para afeto e sim para diversão. Cariocas não querem amigos e sim parceiros para atividades de lazer.

Mas pesquisando muito bem percebemos que há um motivo. Cariocas são hedonistas e cultuam o consumismo mais do que qualquer tipo de povo. As pessoas deixam de ser objeto de afeto para serem meros produtos de consumo. Amizades são reduzidas a meros bobos da corte para os próprios amigos, a entreter nas horas mais ociosas.

Cada dia que passa, isso vai ficando cada vez mais claro. Se repararmos bem, na Região Metropolitana do Rio de Janeiro, a parte mais modernizada é ligada geralmente ao consumo e ao lazer, enquanto outros setores continuam no maior abandono.

E não é só isso. Há denúncias que recebemos por e-mail de pessoas que sofreram preconceitos sociais só porque não gostavam de terminadas coisas. Se recusar a se divertir é uma ofensa ao carioca, punível com o desprezo e não raramente com o bullying ou com perda de direitos essenciais.

Conhece aquela frase "pessoas são feitas para serem amadas e as coisas, usadas; mas usam-se as pessoas e amam-se as coisas"? Poderia muito bem ser o lema do Rio de Janeiro, a meca brasileira do consumo e das emoções baratas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Espírito de Equipe

Recebemos em nosso e-mail uma mensagem de um leitor que pediu para não identificado e que contássemos o seu caso real com nossas palavras, sem reproduzir o seu texto. Obrigado leitor e vamos contar de nossa forma o seu caso, colocando o fictício nome de "João".
"João" é um excelente profissional, cumpridor de seus deveres, que nunca faltou o trabalho por motivo fútil, é pontual e costuma concluir suas tarefas um pouco antes da hora estipulada, tendo fama de adiantar bastante o trabalho da empresa.
Era um dia normal de trabalho. João estava mais uma vez em sua tarefa quando um dos colegas, o mais extrovertido tenta puxar uma conversa, de início simpática, com o colega.
Colega 1: Oi, João, tudo bem? João: Tudo. Colega: Você é um cara legal, trabalhador, gente boa mesmo. mas não sabemos muito de você. Qual é o seu time de futeboll? João: Eu não curto muito futebol. Colega 1: O quê? Não curte futebol? Você está brincando! João: Sério. Eu não sou muito ligado em futebol. Res…

Comemoração por futebol em dia de Golpe mostra infantilidade do povo carioca

Já é consenso da maioria que o dia 31 de agosto de 2016 é um dos dias mais tristes da História brasileira. Já é o pior momento de 2016. Uma democracia conduzida por uma presidente sem culpa é derrubada por um bando de corruptos a serviço de um pequeno grupo de ricaços. Uma atitude que poderá custar as vidas de muitos brasileiros.
Mas os cariocas, em sua maioria elitistas, pareciam felizes com a deposição de Dilma. Desprovidos de altruísmo e de senso de humanidade, pouco estão se lixando se o governo que se instalou através de um golpe irá ou não prejudicar a população brasileira. A elite está tranquila. Caso o prejuízo a alcance, é só entrar em um avião e se mudar para a Europa ou para os EUA. Como os cariocas são o povo mais burro do Brasil na atualidade, o futebol sempre foi e será prioridade máxima para a população local.
É isso mesmo. Esta mesma elite, junto com a classe média e alguns pobres que a apoiaram, estavam todos, na noite do mesmo fatídico dia 31 preocupados com "c…

Prisão de Cunha é etapa de um jogo político

Ontem, a notícia que mais repercutiu foi a prisão preventiva do ex-deputado carioca Eduardo Cunha, responsável pelo ato conhecido como "impeachment" da presidente Dilma Rousseff, num processo estranho onde não houve provas mas muita - e subjetiva - convicção. 
Era na verdade um processo para tirar do poder políticos compromissados com as causas sociais e colocar no lugar verdadeiros serviçais das elites, sob ordens e apoio de instituições norte-americanas, receosas de ver o Brasil como potência no continente.
Cunha foi preso de forma tranquila, sem o estardalhaço habitualmente reservado para os odiados esquerdistas. Afinal, para as elites e a sociedade que as apoia, Cunha é somente um corrupto, não um bandido, no sentido literal do termo. Analfabetos políticos adoram inverter os sentidos de socialistas e capitalistas, livrando direitistas de serem alvo de violento rancor.
Por ter cumprido a sua função, Cunha não interessa mais a direita. Sua prisão não trará prejuízos para …