Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de 2017

Fascismo cresce no Rio de Janeiro graças a submissão do carioca à mídia corporativa

Os ideais fascistas (não exatamente o de Mussolini, mas similares) crescem no Rio de Janeiro, servindo de pólvora à índole naturalmente agressiva do povo carioca, elitista, autoritário, preconceituoso e que sonha com uma sociedade homogênea, com mesmas ideias gostos e atitudes.
Um dos fatores a contribuir para que o ódio fascista cresça no estado gerador do maior número de casos de cyberbullying do país, é a submissão à mídia oficial. Mesmo com a internet alertando das mentiras da grande mídia, muitos moradores da Região Metropolitana do RJ ainda não aceitam a possibilidade de uma empresa tradicional de comunicação contratar um profissional para mentir.
Televisões em bares, hospitais e academias de ginástica, jornais e revistas pendurados na fachada de bancas: parados diante da tanta oferta midiática e praticamente sem assunto para falar com amigos, já que o Rio de Janeiro tem oferecido muito pouca novidade, resta ver as mentiras da mídia corporativa, repetidas ad nauseam e conversar…

Prestes a ter direitos extintos, torcedores comemoram com histeria vitória no futebol

Brasileiro é povo infantil. Carioca ainda mais. Como crianças, o lazer é prioridade em relação a necessidades e assuntos mais sérios. Com estado em crise, os conscientizados, politizados e elegantes cariocas realizaram uma estrondosa e histérica comemoração pela vitória ainda há pouco do Flamengo em um jogo.
Como é a maior torcida do estado, a região metropolitana do RJ se transformou em um estádio de futebol muito barulhento com fogos e berros histéricos, como se a vitória de um time pudesse acabar com a crise econômica de um estado falido, corrupto e incompetente.
Isso sem se lembrar que cartolas do futebol são altamente corruptos. Os próprios torcedores, que sonhavam com este golpe, se preparam para ter seus direitos principais cortados e nem estão aí, provavelmente achando que religião e futebol irão resolver os problemas por eles. A corrupção dos cartolas não incomoda pois cartolas são de elite e cuidam de manter a magia da razão de ser dos cariocas, o futebol. Como ser contra c…

Sem ideias, Bolsonaro segue popular no Rio de Janeiro

Deite na cama após a fama. Quando alguém alcança um prestígio devido a uma qualidade, geralmente deixa de necessitar dessa qualidade para se manter em alta. É o caso do povo carioca, tido como o "mais inteligente" do país e ainda bem influente na cultura de todo o Brasil. Nos últimos anos, o povo carioca segue um processo acelerado de emburrecimento que chega a causar danos.
Uma das provas desse emburrecimento é a ignorância política que está fazendo crescer ideais fascistas no senso comum do carioca, que não faz mais questão de um homem inteligente guiando a política do estado, sugerindo medidas agressivas, não raramente cruéis para resolver os problemas do estado. nem que se tenha que resolver problemas colocando outros problemas no lugar.
Neste cenário de horror é que vemos crescer a popularidade de um boçal sem idéias como o militar da reserva Jair Bolsonaro, tratado como uma espécie de salvador da pátria na mente de um bando de ignorantes que se esquecem que o que faz …

Alcunha de Rodrigo Maia como "Botafogo" confirma ditadura do futebol no RJ

O esquema de delações a serem feitas pela Odebrecht se caracteriza por uma lista onde muitos políticos são mencionados, vários através de alcunhas. Um deles, o Botafogo, dá claros indícios de ser o atual presidente da Câmara o demo Rodrigo Maia.
A alcunha foi dada por causa do fato dele ser um torcedor apaixonado pelo Botafogo. Sabe-se que cariocas gostam mais de futebol que o resto dos brasileiros. O gosto pelo futebol é uma obrigação, quase uma regra de etiqueta social. Praticamente não existe celebridades que se assumam não gostar de futebol. Se há alguma que não gosta, ela finge que gosta para não ter que ficar sozinha. A propósito, celebridades são uma ótima propaganda em prol da ditadura futebolística no Rio de Janeiro.
Talvez a alcunha dada tenha se lembrado deste detalhe, do que cariocas tem uma quase unanimidade (mesmo falsa) em relação ao futebol. Se gostar de futebol sem gostar dos "Quatro Fantásticos" (Flamengo, Fluminense, Botafogo e Vasco), já é ruim (torcedor…