Pular para o conteúdo principal

A privatização da UERJ será catastrófica para a Educação de uma população já emburrecida

O Ministério da Fazenda, representado pelo banqueiro Henrique Meirelles, orientou o governo do Estado do Rio de Janeiro a privatizar as suas universidades e demitir os servidores que nela atuam. 

Com aquela velha desculpa não-convincente de "enxugar gastos", a meta na verdade é abrir caminho para a especulação estrangeira, que pretende privatizar a educação para impedir o surgimento de possíveis subversivos a denunciar os abusos das classes dominantes. Além de claro, concentrar ainda mais a renda nas mãos dos magnatas que controlam as instituições de ensino pelo país.

A privatização da UERJ e de muitas universidades privadas será catastrófica para a formação de nossos jovens. O ensino privado é exclusivamente direcionado ao mercado de trabalho e evita sempre que for possível, debater temas que possam causar algum tipo de asco nas classes dominantes. 

O ensino público, pelo contrário, possui responsabilidade social e tem demonstrado um oásis de sabedoria e consciência em um mundo cada vez mais emburrecido pela industria do entretenimento e pela mídia venal. Universidades públicas são praticamente os únicos lugares onde se pode conversar sobre fatos reais de forma racional e atenta. Pois fora delas, a cegueira da burrice reina.

Tomara que esta ameaça não se conclua e que a UERJ e muitas universidades públicas ameaçadas se recuperem. É de extrema necessidade que jovens tenham uma forma de desenvolver seu intelecto a serviço da vida e não do "deus-mercado". 

Inteligência e observação dos fatos são também direitos. É nossa obrigação evitar que a população seja enganada por uma mídia cada vez mais mercenária e mentirosa, que infelizmente sonha em substituir as escolas e universidades na tarefa de "educar" a população.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Espírito de Equipe

Recebemos em nosso e-mail uma mensagem de um leitor que pediu para não identificado e que contássemos o seu caso real com nossas palavras, sem reproduzir o seu texto. Obrigado leitor e vamos contar de nossa forma o seu caso, colocando o fictício nome de "João".
"João" é um excelente profissional, cumpridor de seus deveres, que nunca faltou o trabalho por motivo fútil, é pontual e costuma concluir suas tarefas um pouco antes da hora estipulada, tendo fama de adiantar bastante o trabalho da empresa.
Era um dia normal de trabalho. João estava mais uma vez em sua tarefa quando um dos colegas, o mais extrovertido tenta puxar uma conversa, de início simpática, com o colega.
Colega 1: Oi, João, tudo bem? João: Tudo. Colega: Você é um cara legal, trabalhador, gente boa mesmo. mas não sabemos muito de você. Qual é o seu time de futeboll? João: Eu não curto muito futebol. Colega 1: O quê? Não curte futebol? Você está brincando! João: Sério. Eu não sou muito ligado em futebol. Res…

Comemoração por futebol em dia de Golpe mostra infantilidade do povo carioca

Já é consenso da maioria que o dia 31 de agosto de 2016 é um dos dias mais tristes da História brasileira. Já é o pior momento de 2016. Uma democracia conduzida por uma presidente sem culpa é derrubada por um bando de corruptos a serviço de um pequeno grupo de ricaços. Uma atitude que poderá custar as vidas de muitos brasileiros.
Mas os cariocas, em sua maioria elitistas, pareciam felizes com a deposição de Dilma. Desprovidos de altruísmo e de senso de humanidade, pouco estão se lixando se o governo que se instalou através de um golpe irá ou não prejudicar a população brasileira. A elite está tranquila. Caso o prejuízo a alcance, é só entrar em um avião e se mudar para a Europa ou para os EUA. Como os cariocas são o povo mais burro do Brasil na atualidade, o futebol sempre foi e será prioridade máxima para a população local.
É isso mesmo. Esta mesma elite, junto com a classe média e alguns pobres que a apoiaram, estavam todos, na noite do mesmo fatídico dia 31 preocupados com "c…

Prisão de Cunha é etapa de um jogo político

Ontem, a notícia que mais repercutiu foi a prisão preventiva do ex-deputado carioca Eduardo Cunha, responsável pelo ato conhecido como "impeachment" da presidente Dilma Rousseff, num processo estranho onde não houve provas mas muita - e subjetiva - convicção. 
Era na verdade um processo para tirar do poder políticos compromissados com as causas sociais e colocar no lugar verdadeiros serviçais das elites, sob ordens e apoio de instituições norte-americanas, receosas de ver o Brasil como potência no continente.
Cunha foi preso de forma tranquila, sem o estardalhaço habitualmente reservado para os odiados esquerdistas. Afinal, para as elites e a sociedade que as apoia, Cunha é somente um corrupto, não um bandido, no sentido literal do termo. Analfabetos políticos adoram inverter os sentidos de socialistas e capitalistas, livrando direitistas de serem alvo de violento rancor.
Por ter cumprido a sua função, Cunha não interessa mais a direita. Sua prisão não trará prejuízos para …